Economia & Negócios

economia

Governo lança pacote de concessões

Plano de concessões divulgado após reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) trará 25 projetos e mudanças nas regras de financiamento

O presidente Michel Temer durante discurso de abertura da primeira reunião do Conselho do Programa de Parceiras de Investimentos (PPI) disse que ele e os ministros do colegiado começarão a produzir os atos normativos necessários para as concessões que o governo quer realizar. O chamado "Projeto Crescer" trará privatizações de aeroportos, portos, ferrovias, rodovias, áreas de exploração de petróleo e distribuidoras de energia. 

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 14h47

    13/09/2016

    Coletiva de imprensa é encerrada

  • 14h45

    13/09/2016

    Moreira Franco: O leilão só vai se realizar com a publicação do edital; o  edital só vai ser publicado se houver licença ambiental e parecer do TCU. Essas questões são previsíveis. Há um calendário com datas fixadas

  • 14h43

    13/09/2016

    Maria Silva/BNDES: Ter subsídio não é negativo, precisa ser transparente. Nas concessões antigas, as tarifas não eram atrativas para o investidor. Estamos propondo fazer a mercado, através de debêntures e complementarmente a TJLP terá subsidios. Queremos fazer financiamento transparente. 

  • 14h40

    13/09/2016

    Moreira Franco: Obsessão nossa é gerar emprego. Não há emprego porque não há confiança e não há crescimento. 

  • 14h39

    13/09/2016

    Moreira Franco: Meta é de R$ 24 bilhões com concessões. 

  • 14h38

    13/09/2016

    Quintella/Transportes: Previsão de retorno também leva em conta antigas concessões.

  • 14h38

    13/09/2016

    Fernando Filho/Minas e Energia: Governo não está entregando nada a ninguém. Temos na área de privatização sete distribuidoras que tem demanda enorme. 

     

  • 14h34

    13/09/2016

    Moreira Franco: Programa não é projeto publicitário. Não é uma ação de marketing. Não tem como fazer projeções de uma coisa que vai para o leilão. Cade acreditaque deve ser fixado o mínimo e o máximo para que não haja especulação do jogo. Não vamos medir taxa de retorno fora das operações padrão. Antes não deu certo, houve pressão sobre o BNDES brutal. Uma clareza que temos é que esses contratos não foram assinados com a presidente Dilma e com Temer porque são contratos, acordos e relações em que o personagem é o governo. Se queremos dar confiança, temos que ter novas regras e trazer passado para essas regras para mostrar confiança. 

  • 14h30

    13/09/2016

    Paulo Caffarelli, do Banco do Brasil: Não estamos preocupados nesse momento em dizer quanto será investido. Na medida em que divulgarmos os projetos, os investimentos vão aparecer

     

  • 14h29

    13/09/2016

    Moreira Franco: Não fazemos distinção entre capital estrangeiro ou nacional, o importante é respeitar as regras do País. 

  • 14h27

    13/09/2016

    Moreira Franco: Visitas a outros países não são apenas para vender projetos. O que é fundamental é a percepção de que o ambiente institucional mudou

  • 14h26

    13/09/2016

    Moreira Franco: Os empregos virão quando esses investimentos se realizarem. A infraestrutura tem a capacidade de gerar mais empregos do que investimentos em outras áreas. A geração de empregos não virá só desse programa

  • 14h24

    13/09/2016

    Moreira Franco: Gerar emprego não é um ato de vontade, é um esforço de transformar a realidade. Geração de emprego é fruto de uma política econômica

  • 14h21

    13/09/2016

    Moreira Franco, sobre problemas no aeroporto de Confins (MG): havia uma outra postura ideológica naquele período

     

  • 14h18

    13/09/2016

    Quintella/Transportes: Valec poderá ter papel importante no desenvolvimento da malha ferroviária do Brasil. Ela terá que mostrar que será necessária, mas não há nenhum plano do governo para acabar com a Valec. 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.