Como não pagar mico na locação de imóvel nas férias

Economia & Negócios

18 Dezembro 2017 | 14h48

Recorrer aos aplicativos para locação de imóvel para as férias requer cautela para minimizar os riscos de enfrentar problemas.

Fotos ou imagens na internet nem sempre correspondem à realidade. Confira indicações de quem já alugou o imóvel desejado. Cheque se há queixas.

Desconfie de valores muito abaixo do mercado. Lembre-se que no período de festas de final de ano e no carnaval os preços são sempre mais elevados. Negocie para tentar um valor mais baixo do que o anunciado.

Toda precaução é justificada. O pior mico é descobrir que o endereço não existe ou que o imóvel não está nas condições mostradas na oferta.

Cobrança antecipada e em uma parcela apenas é praxe nesse tipo de locação. Se o período do contrato for superior a um mês, pode ser cobrado IPTU proporcional, condomínio e outras taxas de serviços públicos, desde que previstas no contrato.

Documente-se para o caso de ter de formalizar queixa, arquivando imagens e cópia do contrato.

Lembre-se que se a relação for entre pessoas físicas fica mais difícil ir atrás de seus direitos.