Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia » Remédios ficam até 7,7% mais caros em abril. Veja como gastar menos na farmácia

Economia & Negócios

Remédios ficam até 7,7% mais caros em abril. Veja como gastar menos na farmácia

Economia

Remédios ficam até 7,7% mais caros em abril. Veja como gastar menos na farmácia

Além de pesquisar diferenças de preços entre farmácias, consumidor pode recorrer a programas de descontos de fabricantes e adotar algumas atitudes que ajudam a gastar menos com medicamentos

Economia & Negócios

30 Março 2015 | 11h09

Diante do reajuste de até 7,7 % dos preços de mais de 9 mil medicamentos, válido a partir desta quarta-feira, 1 de abril, é importante seguir algumas recomendações para economizar na hora das compras na farmácia.

Remédios terão reajuste de 5% a 7,7% a partir de abril

Reajustes valem a partir de abril

Reajustes valem a partir de quarta-feira, dia 1

Saiba como gastar menos na hora de comprar medicamentos

Pesquise em diferentes redes de farmácias e drogarias, e não deixe de pechinchar. Há diferenças mesmo dentro da mesma rede, de uma loja para outra. Percebe-se grande margem de negociação e diversas farmácias e drogarias cobrem preços da concorrência.

Consulte seu médico sobre a possibilidade de usar a versão genérica do medicamento. O genérico, em regra, é mais barato. Mas, não deixe de pesquisar preços de genéricos fabricados por diferentes laboratórios, pois há diferenças entre eles.

Peça para seu médico receitar o medicamento pelo nome do princípio ativo, e não pelo nome de marca. Assim será mais fácil verificar a existência de genéricos e optar pelo mais barato.

Mesmo se da prescrição do medicamento constar o nome de marca, é permitida a troca por medicamento genérico na farmácia, desde que seja feita por farmacêutico, que pode orientar o consumidor.

Pacientes que tratam hipertensão ou diabetes, devem consultar o médico sobre a possibilidade de utilizar um dos medicamentos que constam da lista do Programa Farmácia Popular. Além dos medicamentos gratuitos para hipertensão, diabetes e asma, o programa oferece mais 13 tipos de medicamentos com preços até 90 % mais baratos utilizados no tratamento de dislipidemia, rinite, mal de Parkinson, osteoporose e glaucoma, além de contraceptivos e fraldas geriátricas para incontinência.

Há medicamentos cujos subsídios do governo permitem a redução de até 90% nos preços. Há uma série de farmácias e drogarias que participam do programa. Procure pelo cartaz exposto no estabelecimento. Para obter esses descontos, é preciso que o paciente leve a receita e tenha em mãos o CPF.

Também há programas dos governos estaduais e municipais que subsidiam o tratamento com remédios.

Para quem doença crônica, também outra forma de economia é a adesão a programas de fidelização de laboratórios. A adesão é feita pelo site das empresas ou por um telefone 0800, identificados nos rótulos dos produtos. O usuário se inscreve por telefone ou e-mail e passa a fazer parte do programa dos laboratórios que disponibilizam esse tipo de produto. Dependendo do medicamento, os descontos chegam até 70%, o que equivale em alguns casos aos preços das versões genéricas.