Após Aceco TI, KKR prepara saída do Brasil

Após Aceco TI, KKR prepara saída do Brasil

Coluna do Broadcast

15 Agosto 2017 | 05h00

O fundo de private equity norte-americano KKR prepara sua saída do Brasil, após um primeiro – e amargo – investimento no País, na empresa de tecnologia Aceco TI, realizado em 2014. O imenso embate começou quando o KKR afirmou ter descoberto evidências de que a Aceco TI estava envolvida em supostos esquemas de corrupção e de fraudes em seu balanço. Com isso, um processo arbitral foi iniciado com os fundadores da empresa, a família Nitzan, e ainda aguarda decisão. Mundialmente, o KKR possui US$ 148,5 bilhões sob gestão.

Dependência
A batida do martelo ainda depende de como serão alocados os recursos de um fundo que foi captado recentemente, da ordem de US$ 13 bilhões. No entanto, profissionais já estariam começando a deixar o escritório sede do KKR no Brasil, no bairro do Itaim, em São Paulo. Uma ideia aventada seria ainda olhar o País, mas de forma remota, ou seja, sem escritório local.

Fronteira afora
O sabor ácido do investimento no Brasil superou as fronteiras brasileiras. No exterior, o KKR deixou de fazer negócios com o britânico Barclays. Isso porque o fundo acusou o chefe do banco, Jes Staley, de ter apoiado seu cunhado na disputa dos fundadores da Aceco com o KKR. Staley é casado com Debora Nitzan Staley, irmã de Jorge Nitzan – ambos venderam suas participações da Aceco há três anos.

Com a palavra

A KKR continua em seus escritórios no Brasil e atualmente não tem planos de alterar isso. A KKR captou recentemente um fundo de private equity de US$ 13 bilhões para prospecção de grandes negócios, o que será um fator determinante na tomada de decisões sobre alocação de pessoal no Brasil e em outras localidades. Como membros do conselho, a KKR continuará dando total apoio à Aceco. A KKR mantém um compromisso integral com os esforços de remediação em andamento na empresa, em cooperação com as autoridades brasileiras, para reparar um grande esquema de fraudes contábeis e corrupção envolvendo a administração anterior.

Siga a @colunadobroad no Twitter