Cemig acelera esforços para decolar venda de ativos e captação externa

Cemig acelera esforços para decolar venda de ativos e captação externa

Coluna do Broadcast

23 Julho 2017 | 05h00

A Cemig tem feito esforços relevantes nos últimos dias para tranquilizar credores quanto ao andamento da venda de seus ativos e também de sua captação externa, de US$ 1,5 bilhão. O motivo são os vencimentos de R$ 3,3 bilhões em dívidas entre este mês e novembro na Cemig Geração e Transmissão (GT), mais da metade dos R$ 5,9 bilhões de 2017. Os compromissos de julho serão honrados com caixa, os de agosto estão sendo renegociados e, a partir de outubro, a companhia terá de contar com a emissão de bônus. Para mostrar solidez à captação externa, uma das informações que circulam é de que a companhia teria atraído três investidores relevantes dispostos a adquirir os papéis a uma remuneração de 9%. Entre eles, estaria o fundo de hedge Third Point.

Preto no branco
A questão é que os investidores estrangeiros, que já declinaram de levar os papéis da emissão externa em maio, querem ver um bom encaminhamento da venda de ativos. Por isso, a Cemig tem procurado abastecer o mercado com notícias envolvendo a venda das operações mais valiosas, como a Light e a Santo Antonio, e a atração de mais de um sócio para a Renova, numa tentativa de mostrar que existem investidores interessados nos ativos. Procurada, a Cemig não comentou até o fechamento. (Com Luciana Collet)

Siga a @colunadobroad no Twitter