Compra da Eldorado pela APP esbarra em credores

Compra da Eldorado pela APP esbarra em credores

Coluna do Broadcast

30 Agosto 2017 | 05h00

Os bancos credores e os fundos de pensão olham com ceticismo a proposta da indonésia Asia Pulp & Paper (APP) pela Eldorado, do grupo J & F Isso porque, no desenho que está sendo formatado, a companhia asiática injetaria recursos na Eldorado, para depois, em uma segunda etapa, comprar o controle da empresa. Nesse formato os recursos não iriam, ao menos de imediato, para a J & F, e como consequência não seriam destinados para o pagamento das dívidas bancárias. Os irmãos Batista, no entanto, fecharam compromisso de venda de ativos com os bancos credores. Como a J & F precisa de caixa, a proposta fatiada da APP não faria sentido.

Será? Diante desse impasse, tem sido comum no mercado financeiro a defesa de que a Fibria pode acabar levando o ativo. Ainda que a proposta da brasileira, de R$ 12 bilhões, seja inferior aos R$ 15 bilhões ofertados pela APP, o dinheiro chegaria à vista e em tempo mais curto. Isso porque a Fibria não precisaria fazer diligência do ativo, que já conhece bem, mas apenas do acordo de leniência fechado pelos executivos da J& F, que já passou pelo crivo de compradores de outros ativos. Além disso, o setor de papel e celulose é estratégico para o País, com forte contribuição à balança comercial, acentuando o interesse do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), um dos maiores credores da J & F, de encontrar uma solução doméstica para a venda do ativo.

Matemática. A estratégia apresentada pela APP, no entanto, elimina potenciais problemas que a J & F teria para a adesão dos fundos de pensão – Funcef (Caixa Econômica Federal) e Petros (Petrobras). No acordo de acionistas, está previsto tag along, que garante a acionistas minoritários o direito de deixarem a sociedade caso o controle da empresa seja adquirido por um investidor que, até então, não estava na sociedade, em caso de venda de ações, o que não aconteceria nessa estrutura. Pelo plano pensado, os fundos teriam apenas o direito de preferência na subscrição, com pouca chance de ser exercida por conta dos ajustes que vêm fazendo em suas carteiras. Procurada, a J & F não comentou.

Siga a @colunadobroad no Twitter