Isolamento de multa na J&F facilita venda de ativos do grupo

Coluna do Broadcast

01 Junho 2017 | 07h46

A venda da Odebrecht Ambiental para a gestora canadense Brookfield se tornou um case e facilita o caminho ao grupo J&F para levantar recursos com venda de ativos. O grande salto para a conclusão do negócio da Odebrecht com a Brookfield foi o isolamento da multa, limitando a possibilidade desse passivo recair sobre o comprador. O acordo de leniência da J&F vai no mesmo sentido e remete a multa de R$ 10,3 bilhões à holding. O grupo dos irmãos Batista, sob o risco de estrangulamento de liquidez, já trabalha com a estratégia de desinvestimento.

Parte
Mas isso resolve parte do problema. O acordo de leniência pode ter ainda desdobramentos, já que prevê colaboração dos executivos em pelo menos cinco investigações de corrupção. Além disso, tratando-se de ativos sob o guarda-chuva de um conglomerado envolvido em diferentes esquemas de corrupção, as diligências para levantamento de detalhes financeiros e operacionais prometem complexidade.

Complexidade
A Brookfield, por exemplo, levou 12 meses para concluir a aquisição da Odebrecht Ambiental, mobilizando mais de 30 pessoas, além do convencimento do player canadense incorporar o ativo de um grupo cujo presidente está preso. O próprio sócio da Brookfield, Luiz Maia, admitiu que não sabe se a empresa repetirá o movimento no curto prazo.

Siga a @colunadobroad no Twitter