Migração da Suzano para o novo mercado joga holofotes na Vale

Migração da Suzano para o novo mercado joga holofotes na Vale

Coluna do Broadcast

02 Agosto 2017 | 05h00

Apesar de inúmeras semelhanças, uma importante diferença entre a proposta de migração da Suzano para o Novo Mercado e a da Vale causou estranheza: a relação de troca que preserva integralmente os acionistas preferenciais da empresa de papel e celulose, ao passo que dilui os da mineradora e ainda dá prêmio de 10% aos controladores. Por outro lado, a Vale terá o controle pulverizado e a Suzano, não.

E agora? 
Tal fato dá força aos argumentos da Capital Group, que se posicionou contra os termos propostos pela Vale. O megafundo norte-americano é o maior acionista preferencialista, com uma fatia de cerca de 20% dessa classe de ações. A mineradora tem feito uma ampla campanha para convencer seus acionistas, que terão até o dia 11 de agosto para trocar seus papéis prefereciais por ações ordinárias. O BNDESPar é acionista em ambas as companhias.

O que muda
No caso da Suzano, a conversão de ações preferenciais em ordinárias será feita na relação de um para um, sem prêmio ao controlador. Na mineradora, no entanto, a migração anunciada em maio dará aos controladores um prêmio de 10%, enquanto diluirá, no sentido oposto, os minoritários. Procurada, Vale não comentou.

Siga a @colunadobroad no Twitter