Prisão de Wesley Batista por insider trading é inédita

Prisão de Wesley Batista por insider trading é inédita

Coluna do Broadcast

13 Setembro 2017 | 10h15

A prisão preventiva de Wesley Batista, presidente da JBS, é a primeira realizada no Brasil por insider trading. Nem Eike Batista, preso no início do ano, foi por esse motivo. Xerife do mercado, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) apontou recentemente na sua análise que havia indícios de uso de informação privilegiada pelos controladores da JBS.

Wesley e Joesley são investigados na Tendão de Aquiles em inquérito sobre manipulação do mercado financeiro, referente ao suposto lucro obtido com a venda de dólares às vésperas da divulgação da delação premiada dos executivos da J&F.

+ Controladores da JBS fizeram venda milionária de ações antes de delação

Antes do vazamento da delação da família Batista em maio, a JBS realizou uma grande operação no mercado futuro de dólar e investiga-se se os controladores da empresa usaram informação privilegiada para evitar perdas financeiras. Antes da prisão de hoje, a JBS teria contratado estudo para mostrar que, em tais operações, não houve ganho. Ao mercado mais cedo, a JBS informou que ainda não teve acesso à integra da decisão da Justiça.


No passado, Naji Nahas e Daniel Dantas chegaram a ser condenados pela Justiça, mas não apenas por insider trading, mas também por lavagem de dinheiro.

Siga a @colunadobroad no Twitter