Sem consenso com fundadores, NotreDame pode perder hospital em Osasco

Sem consenso com fundadores, NotreDame pode perder hospital em Osasco

Economia & Negócios

15 Abril 2018 | 04h00

A NotreDame Intermédica, que precifica a sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na semana que vem, pode perder um dos 18 hospitais de sua rede própria. Trata-se do Hospital Renascença, de Osasco. A unidade, atualmente arrendada para a operadora, está sendo negociada junto aos proprietários e fundadores, a família Cury, mas as conversas não vão bem e a compra pode subir no telhado.

Quanto vale?
Com 77 leitos, o Hospital Renascença é, inclusive, citado no prospecto do IPO da NotreDame. Na região, a operadora conta ainda com o Hospital Cruzeiro do Sul, adquirido no ano passado. O Renascença, fundado pelo Dr. Faisal Cury, é considerado um ativo importante, já que não há outros similares em Osasco. Sem ele, a NotreDame pode acabar gerando fluxo para as instalações da concorrência como, por exemplo, a Rede d’Or. Procurada, a NotreDame não comentou.

Enquanto isso…
Por ora, tanto Notredame, que precifica sua oferta dia 19, quanto a operadora Hapvida, cujo fechamento da operação ocorre no dia 23, já têm demanda de 1,5 vez para emplacarem seus IPOs.

Siga a @colunadobroad no Twitter