Turbulência não deve impedir Shanghai de assumir projeto da Eletrosul

Coluna do Broad

19 Maio 2017 | 05h00

Os chineses da Shanghai Electric estão a uma assinatura de fechar efetivamente o acordo com a Eletrosul, subsidiária da Eletrobras, para assumir as obras de um projeto de transmissão de energia no Rio Grande do Sul orçado em R$ 3,3 bilhões. O termo de compromisso da transferência já recebeu vistos de ambas as partes e agora a estatal brasileira espera o crivo final asiático. O acordo final pode ser hoje (19).

Sem retrocesso
Embora a mais nova crise política tenha colocado em compasso de espera diversas negociações de fusão e aquisição em andamento, o acordo entre Shanghai e Eletrosul, não haverá retrocesso. O raciocínio é que para quem já fez todos os passos de due dilligence e está assumindo uma concessão de 30 anos, a crise não atrapalha muito.

Prevenidos
Os chineses, inclusive, já teriam precificado o risco de turbulências políticas e econômicas no País. Não é para menos, desde que começou a analisar o ativo, no primeiro semestre do ano passado, os chineses já viram o impeachment de Dilma Rousseff, o recrudescimento da crise econômica e três mudanças na presidência da Eletrosul.

Chamada pública
O projeto em questão é composto por 2.169 quilômetros de linhas de transmissão e 21 subestações, sendo 8 novas e 13 ampliações de instalações existentes. A Eletrosul arrematou o lote em leilão de 2014 ao oferecer um deságio de 14,01% em relação à receita máxima permitida, mas em meio à dificuldade financeira do grupo estatal, a empresa abriu uma chamada pública para selecionar um investidor interessado na concessão.

Prestadora
A Shanghai deve assumir 100% do projeto durante sua fase de obras, e a Eletrosul poderá atuar como prestadora de serviços para a chinesa. O termo de compromisso acertado prevê que quando o empreendimento estiver em operação, a Eletrosul terá prioridade para adquirir até 25% da concessionária. (Luciana Collet)

Siga a @colunadobroad no Twitter

0 Comentários