Mercado não gostou do ‘Dia do fico’ de Michel Temer

Mercado não gostou do ‘Dia do fico’ de Michel Temer

Alexandre Cabral

18 Maio 2017 | 19h41

Sabe aquele dia que parece que nunca vai acabar? É o dia de hoje, onde tudo aconteceu, bolsa despencou, bolsa caiu menos, Vale despencou, Vale subiu. Vamos tentar resumir esse dia.

Ed Ferreira / Estadão

9:00 – Você deveria está chegando ao trabalho. O mercado, por sua vez, já estava começando a pegar fogo, contratos sendo negociados na bolsa com queda de 10% no índice futuro e de 5,63% no dólar. Vamos detalhar melhor:

– Ibovespa: é um ativo negociado na bolsa brasileira que demonstra como o mercado financeiro está precificando os ativos para uma data futura, nesse caso, para o dia 14 de junho. Esse produto abriu com uma baixa de 10,03%, alcançando uma trava que, no caso do mercado futuro, fixa esse índice como queda máxima para todo o dia.

– Dólar Futuro: é a expectativa de quanto estará o dólar no dia 01 de junho. Esse produto abriu com uma alta de 5,63%, saindo de R$ 3,146 no fechamento da quarta-feira, 17, para R$ 3,323 na abertura do dia desta quinta-feira, 18. Só que conversando com os players do mercado esse dólar deveria estar na casa de R$ 3,37. Portanto, o preço máximo de negociação naquela momento era menor do que o preço justo, logo não tínhamos negociação.

Nesse momento o inferno estava na Terra, onde os investidores preocupavam-se demais com o futuro do governo Temer, e para piorar, o STF começou a trabalhar cedo, prendendo a irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e afastando o senador do cargo. O mercado pensava: ‘O STF vai agir’.

10:00 – Na hora em que parte das pessoas já começavam a se preocupar com o almoço (fala a verdade: estava pensando em alface? Não né, ninguém pensa em alface, come porque está lá no buffet do quilo), vamos ao que acontecia com o mercado:

– Petrobras abriu com 18,71% de queda, Vale com 7,67% de queda e Banco do Brasil com um tombo de mais de 24%. Cabe destacar aqui que a Cemig no momento cai uns 40% – associação do Aécio com a empresa.

Ai você pensa: o mundo acabou? Não, não acabou. O mercado só não está gostando de um País onde o presidente foi totalmente desprestigiado com uma denuncia que envolve um suborno de quase meio bilhão de reais (isso mesmo, a propina deve chegar a meio bilhão de reais).

15:06 – O Blog do Noblat do ‘O Globo’ soltou uma notícia que o Temer iria renunciar. O mercado amou a notícia, o dólar que estava sendo negociando na casa de R$ 3,347 caiu para R$ 3,331. A bolsa que despencava 8,50% antes da notícia, amorteceu ligeiramente a queda para 6,54%. E assim foi com vários ativos… Aí… Aí…

16:09 – Temer chama a imprensa e fala: “eu fico!”, me lembrou aquela música “daqui não saio, daqui ninguém me tira”. O estress foi imediato. O índice da bolsa fechou com uma queda de 8,80%, o dólar com 8,07% de alta, a Petrobras caindo 15,37% e a Vale com 0,39% de variação positiva – uma associação entre a receita da companhias em dólares (quando o real perde força, a Vale ganha mais dinheiro).

Resumindo

O mercado estressou pesado no começo do dia pós-divulgação das gravações e vai ficar assim por muito tempo. Até uma definição do que vai ocorrer com o Temer. Eu só acho que com o Michel Temer no governo teremos sérios problemas na economia – e isso não é bom. Como disse em um texto que escrevi na manhã desta quinta-feira, 18, neste blog: “renuncia + eleições indiretas + tentar sobreviver pós furacão”.

0 Comentários