Como preparar suas finanças para o desemprego

Como preparar suas finanças para o desemprego

Canal Econoweek

28 Fevereiro 2018 | 12h56

O brasileiro está demorando mais tempo para conseguir se recolocar no mercado de trabalho. Uma pesquisa do SPC Brasil e CNDL mostrou que, em média, está demorando 14 meses (um ano e dois meses) para o desempregado conseguir um novo cargo. Mas e as finanças com isso?

Do ponto de vista financeiro, o desemprego implica em algumas mudanças. A primeira delas é preparar uma reserva financeira. Normalmente, é indicado que o consumidor tenha guardado aproximadamente 6 meses de gastos para emergências. Ou seja, se você gasta R$ 2 mil para viver todos os meses, deveria ter de reserva R$ 12 mil. Em uma situação em que aumentou o tempo de procura de emprego, recomenda-se que a quantia seja um pouco maior, afinal você pode demorar mais tempo procurando a vaga. Guarde algo como 8 meses de gastos.

Uma dica é saber exatamente quanto você ganha e gasta atualmente. Na pesquisa, seis em cada dez pessoas afirmaram que aceitariam reduzir o salário para conseguir um novo emprego. Mas reduzir quanto? Se atualmente, com emprego, você já não sabe qual o seu perfil de orçamento, em uma situação de desemprego fica difícil chegar a um valor suficiente para viver.

Outro ponto importante: se você já tem um orçamento e sabe exatamente quanto ganha, viva sempre um degrau abaixo. Assim, se tem um salário de R$ 5 mil, pense que você ganha R$ 4 mil. O pensamento, além de incentivar a poupança e investimento, faz com que em uma emergência, como no desemprego, fique mais fácil cortar gastos e até negociar um salário mais baixo, afinal você já se acostumou a viver com menos.