O que aprendemos sobre finanças em ‘Game of Thrones’ e ‘Stranger Things’

O que aprendemos sobre finanças em ‘Game of Thrones’ e ‘Stranger Things’

Canal Econoweek

06 Dezembro 2017 | 11h05

Foram muitas séries de sucesso em 2017, mas em algumas, além de ter uma boa dose de diversão, você aprende sobre finanças. Separamos dois seriados em especial onde foram dadas muitas lições financeiras: Game of Thrones e Stranger Things.  ALERTA DE SPOILER!!

A primeira lição diz respeito às reservas. Em Stranger Things, a casa onde Will (o garoto sequestrado) é destruída na busca por alguma comunicação com o mundo invertido. Quem não se lembra da cena com as luzes piscando na parede? Na segunda temporada, a casa já está organizada novamente, mas o pessoal faz uma bagunça numa espécie de celeiro em que interrogam Will.

Isso nos ensina que, sim, situações imprevisíveis acontecem e para elas precisamos estar preparados. Ninguém imagina que ficará preso no mundo invertido, ou que ficará desempregado, ou outro cenário inesperado. Mas isso pode ocorrer. Por isso, indica-se que a pessoa tenha no mínimo 6 meses de gastos como reserva de emergência. Se gasta R$ 2 mil todos os meses, a reserva deveria ser de R$ 12 mil, por exemplo.

Em Game of Thrones, além de batalhas épicas e mortes sangrentas, aprendemos que o seu nome e sua palavra são seus principais bens. Logo no começo da sétima temporada, Jon Snow não aceita fazer aliança com Cersey em troca da promessa de que não lutaria contra os Lannister. Afinal, ele já estava com uma queda pela Daenerys e havia prometido a ela que lutaria na guerra pelo trono.


Nas finanças, o aprendizado pode ser trazido para as dívidas. Honre os seus compromissos. Não pagar as dívidas, sobretudo as caras, te traz muitos problemas, como cortes de linhas de crédito, dívidas cada vez maiores devido ao efeito bola de neve da cobrança de juros, etc.

Estes dois seriados nos ensinaram muitas outras lições sobre finanças. Separamos 5 das quais falamos neste vídeo. Confere aí!