Descontente com imaturidade de candidatos, AkzoNobel coloca fim em programa de trainees
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Descontente com imaturidade de candidatos, AkzoNobel coloca fim em programa de trainees

Renato Jakitas

10 Fevereiro 2015 | 06h00

Empresa holandesa é fabricante de químicos

Empresa holandesa é fabricante de químicos

Multinacional acredita que jovens recém-formados não estão prontos para a complexidade da gestão industrial

A temporada de caça por jovens recém-formados chega a sua fase mais animada entre as grandes corporações, mas para AkzoNobel, fabricante holandesa de químicos, essa é uma disputa que não faz o menor sentido.

Cansada de resultados frustrantes ou pouco motivantes na captação de talentos que acabam de se desvencilhar da universidade, a empresa decidiu colocar a mão no bolso e apontar seu programa de recrutamento para um extrato profissional um pouco mais experiente, e consequentemente melhor preparado para os desafios propostos.


Há dois anos, o grupo presente em 80 países optou por abolir seu programa de trainnes e, no lugar, abraçou um projeto que vinha sendo gestado em sua subsidiária brasileira, e que consiste em buscar profissionais entre jovens com cinco, seis ou sete anos de vivência mercadológica, com uma pós-graduação ou um MBA no currículo e, impreterivelmente, escolados em negociações internacionais.

“Queremos um jovem no perfil ‘passaporte na mão'”, conta a Elaine Miranda, gerente de aquisição de talentos da multinacional. “Precisa ser um jovem com um inglês mais que fluente, capacitado para conduzir negociações no exterior, com experiência no mercado e uma pós-graduação ou MBA no currículo”, diz ela.

“Acho que para uma empresa de varejo, o trainee atende muito bem a necessidade. Mas nós, pela complexidade da AkzoNobel, a gente entendeu que esse profissional, depois que passava pelo período de dois anos, ele não estava ainda apto para assumir uma gerencia no porte que a empresa oferece”, afirma a executiva de recursos humanos.

Batizado de Fast Track Management Program (FTMP), o programa é global. Para o Brasil, a meta é buscar até quatro profissionais, mas um quinto e um sexto não é descartado. Nesse caso, o ‘excedente’ pode vir a ser contratado por uma subsidiária internacional da empresa, como já aconteceu no passado com um brasileiro que seguiu diretamente para os Estados Unidos. 

Quem tiver interesse em participar do processo, as inscrições para edição 2015 do Programa vão até 10 de março e podem ser realizadas no link http://www.akzonobel.com/careers/ftmp.

A vivência internacional, por sinal, é vendida internamente como o grande atrativo do programa. Com rotação em todas as frentes de negócio da empresa, um dos “estágios” é cumprido no exterior, em um período que vai de oito a nove meses.

“A gente sabe que com 29, 30 anos, muitos já são casados. A gente não arca com as despesas de viagem da esposa, por exemplo, já que não é um programa de expatriação”, afirma Elaine Miranda.

A empresa não fala sobre o programa de remuneração, mas os funcionários são contratados com o cargo de gerente de projetos e, segundo Elaine Miranda, está em linha com os rendimentos de um profissional desse nivel, no mercado.

Para interagir com o blog, entre em contato pelo renato.jakitas@estadao.com

Mais conteúdo sobre:

Emprego