As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Crescimento puxado pelo consumo

Estudo de economistas do BIS (Banco para Compensações Internacionais) mostra que expansões do PIB lideradas pelo consumo das famílias - em vez do investimento ou do setor externo - são mais frágeis e menores. Este tipo de crescimento foi o modelo do Brasil na fase de ouro do governo Lula, e hoje caracteriza cada vez mais a expansão de diversas partes importantes da economia global.

Fernando Dantas

20 Março 2017 | 17h48

Uma característica do período de ouro de crescimento do governo Lula foi a de que o consumo das famílias cresceu mais rápido do que o PIB. De 2004 a 2010, o PIB cresceu a uma média anual de 4,2%, e o consumo das famílias teve expansão média de 5,4%. Com exceção de 2004 e 2010, início e fim do período, em todos os outros anos o consumo andou à frente do PIB.

Tomando os conceitos de recente estudo do Banco para Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), trata-se de uma “expansão liderada pelo consumo”, isto é, uma fase de crescimento em que a elevação real do consumo é maior que a do PIB. O estudo do BIS, dos economistas Enisse Kharroubi e Emanuel Kohlscheen, mostra justamente que o modelo de crescimento liderado pelo consumo é bem mais fraco e frágil do que o de expansões puxadas por outros componentes da demanda, como os investimentos e o setor externo.

Os autores começam por constatar que o crescimento tem sido cada vez mais liderado pelo consumo em diversas importantes partes do mundo. Tomando um grupo de economias avançadas, eles mostram que, entre 2004 e 2007, as contribuições do investimento e do consumo das famílias (em pontos porcentuais) para o crescimento do PIB ficou em níveis relativamente próximos. Já de 2012 a 2016, a contribuição do consumo para o crescimento (bem mais modesto) do PIB foi muito maior (na verdade, os investimentos chegaram a contribuir negativamente em 2012 e 2013).

Os economistas encontram números que indicam que as expansões puxadas pelo consumo das famílias são menores que as demais. A diferença não está no consumo do governo, que tende a um comportamento similar nos dois tipos de expansão – indicando que a política fiscal não é um elemento importante na distinção –, mas sim na contribuição bem menor dos investimentos e do setor externo nas expansões movidas a consumo.


Uma questão central para os autores é a de saber se a expansão puxada a consumo leva a um crescimento menor do PIB, ou se, numa causalidade inversa, é o fato de que a expansão seja lenta que leva ao destaque do consumo.

No primeiro caso, haveria alguns mecanismos de transmissão: excesso de endividamento das famílias levando a crises financeiras ou prolongados períodos de desalavancagem; ou a reversão de “efeito-riqueza”, como a alta dos imóveis, que pode puxar o consumo inicialmente, mas depois (quando há queda) fragiliza as finanças familiares.

Eles ressalvam, entretanto, que a causalidade em teoria pode ser inversa: com baixo dinamismo econômico, os investimentos crescem pouco, mas o consumo das famílias, que é mais inercial, pode garantir alguma expansão – e neste caso, naturalmente será a parte do leão do crescimento.

Com uma série de exercícios econométricos, Kharroubi e Kholscheen chegam a uma firme conclusão em favor da primeira hipótese. Eles encontram fortes evidências de que o aumento do consumo das famílias no PIB (consequência do crescimento do consumo acima do produto) é um indicador antecedente de desacelerações, particularmente se há também alta do endividamento em geral e do peso da dívida imobiliária em particular.

O Brasil aparece em uma das tabelas do trabalho como tendo tido crescimento liderado pelo consumo de 2011 a 2014 (o estudo descarta anos de retração do PIB, como 2015 e 2016). Assim, a recomendação que os autores fazem para os formuladores de política econômica, de tentar reforçar o papel do investimento no crescimento, se aplica como uma luva para o Brasil. Expandir o consumo sistematicamente acima do PIB é uma droga política potente, mas com efeito frágeis e não sustentáveis. (fernando.dantas@estadao.com)

Fernando Dantas é colunista do Broadcast

Esta coluna foi publicada pelo Broadcast em 17/3/17, sexta-feira.