No 1º semestre, preços subiram menos do que em um único mês de 2016
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No 1º semestre, preços subiram menos do que em um único mês de 2016

Inflação acumulada nos últimos seis meses foi de 1,18%, inferior ao índice de apenas janeiro do ano passado (1,27%)

Bianca Pinto Lima

07 Julho 2017 | 13h08

Com a queda do IPCA em junho, a 1ª em 11 anos, o Brasil fechou o semestre com uma inflação acumulada de 1,18%, inferior à taxa de um único mês de 2016. Apenas em janeiro do ano passado, a alta foi de 1,27%, como mostra o gráfico abaixo.

Esse movimento deve-se, principalmente, à queda no preço dos alimentos, que respondem por um quarto das despesas das famílias brasileiras. Segundo o IBGE, o grupo Alimentação e Bebidas recuou 0,50% em junho, o menor indicador em quase 7 anos, e passou a acumular deflação de 0,03% em 2017.

Só em janeiro de 2016, para se ter ideia da diferença, esses itens haviam subido 2,28%, tendo o tomate como principal vilão. “No ano passado, (o fenômeno climático) El Niño estava muito forte. É até esperado que o preço dos alimentos acelere no início de qualquer ano, mas não nesse nível acima de 2%”, explica o economista Fábio Romão, da LCA Consultores.

O tomate, aliás, é velho conhecido do bolso dos brasileiros. Em 2013, chegou a ser vendido por R$ 10 o quilo (o dobro do preço do frango à época) e foi tema de artigo do Financial Times. A publicação britânica alertava que a reeleição de Dilma Rousseff estava ameaçada exatamente pelo… Tomate.

Agora, a realidade é bem diferente: o preço do fruto recuou 19,2% em junho de 2017, liderando o ranking de deflações no grupo Alimentação e Bebidas. “Transitamos de um El Niño muito forte em 2015 e 2016 para um clima neutro, o que derrubou os preços e contribuiu para as supersafras”, destaca Romão.

Em 2006, ano em que o IPCA havia registrado a última deflação mensal, o preço dos alimentos também ficou bastante comportado, como mostra o gráfico acima. No acumulado daquele ano, o grupo teve alta de 1,22%, o menor patamar desde a criação do Plano Real e que também se repetiu em 1997.

Sazonalidade. Mas o economista da LCA alerta que o movimento é sazonal e que a deflação registrada em junho não deverá se repetir ao longo de 2017. “Há uma sazonalidade que favorece o preço dos alimentos e, por isso, há uma propensão a se ter deflação neste mês”, diz.

Além dos itens alimentícios, que devem ficar mais caros no último trimestre do ano, o consumidor já passou a pagar mais pela conta de luz em julho, com a migração da bandeira verde para a amarela. Romão projeta que o IPCA encerrará 2017 em 3,6%, abaixo do centro da meta estabelecida pelo governo, que atualmente é de 4,5%.

Mas o economista pondera que essa estimativa não inclui uma eventual alta da Cide Combustíveis. O tributo que incide sobre a venda da gasolina e do diesel é uma das cartas na manga do governo para melhorar a arrecadação.

Mais conteúdo sobre:

InflaçãoIPCAAlimentosDeflação