Vale a Pena investir no Tesouro Direto com a Selic em Queda? (Se surpreenda com essa simulação)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Vale a Pena investir no Tesouro Direto com a Selic em Queda? (Se surpreenda com essa simulação)

Thiago Nigro

27 Setembro 2017 | 00h00

A Selic caiu, e trouxe junto as milhões de dúvidas dos investidores de um dos investimentos mais populares do nosso tempo.

Afinal, continua valendo a pena investir no tesouro? O tesouro Selic ficou obsoleto? Os pré-fixados podem ser a solução? As dúvidas não param.

Para os desesperados: fiquem tranquilos, o tesouro ainda vale a pena. E os motivos que fazem ele ainda valer a pena explicarei no vídeo de hoje.

Sim, a taxa Selic caiu e fez com que os investimentos que tem uma correlação com a taxa Selic caíssem de rendimentos também. Isso, pelo menos, nominalmente falando.


Mas por que o tesouro ainda pode valer a pena?

Por 3 motivos principais: Rentabilidade real, objetivos e diversificação.

Rentabilidade Real

Ao vermos a rentabilidade nominal, ou seja, só a taxa sem descontar a inflação, pode nos parecer que a queda de rentabilidade foi muito alta, e que, por isso, o investimento no Tesouro Selic, por exemplo, está muito abaixo do que já foi algum dia.

O problema disso é que, na realidade, quando tratamos de investimento, a rentabilidade mais importante é a rentabilidade real, e não a nominal.

O investimento precisa ter um rendimento acima da inflação, pois é isso o que mais importa. Se a inflação estiver acima do rendimento, o investimento não aumenta em nada o poder de compra do seu patrimônio. E é por isso que a rentabilidade real é importante.

Agora, para você entender realmente essa ideia, irei utilizar de alguns exemplos, ok?

Vamos ao primeiro exemplo, comparando as taxas de 2015 com as atuais de 2017:

2015:

Selic Over – 14,15%

Inflação – 10,67%

Rendimento Real – 3,15%

2017:

Selic Over – 8,15%

Inflação esperada – 2,97%

Rendimento Real – 5,03%

Ou seja, se compararmos a rentabilidade real do Tesouro Selic HOJE comparada à rentabilidade do Tesouro Selic de 2015, quando a Selic estava em seu ponto mais alto, vemos que agora, em questões de rentabilidade real, o Tesouro Selic ficou mais atrativo.

E olha que eu não estou considerando ainda que, em 2015, grande parte das corretoras de investimento não haviam adotado ainda a taxa 0 para investimentos!

No fim das contas, o Tesouro Selic não está exatamente um negócio ruim agora.

Mas, é bom deixar uma coisa clara: esse aumento de rentabilidade real é efeito da comparação.

Se fizermos uma nova comparação, mas levando em consideração o acumulado de 2016, temos um outro resultado:

2016:

Selic Over – 12,90%

Inflação – 6,29%

Rendimento Real – 6,22%

2017:

Selic Over – 8,15%

Inflação esperada – 2,97%

Rendimento Real – 5,03%

Veja que agora o cenário é diferente. Se compararmos com 2016, realmente o Tesouro Selic perdeu um pouco da sua atratividade.

Considerando que, num geral, os investimentos de renda fixa seguiram o mesmo caminho, o Tesouro Selic, e os investimentos do Tesouro num geral, ficaram melhores ou piores?

Bom, isso tudo depende do seu objetivo.

Objetivos

Um dos grandes usos do tesouro, especificamente o Selic, foi sempre com o objetivo de ser um fundo de emergência, devido a sua facilidade para resgatar o dinheiro e sua baixa volatilidade com os resgates antecipados.

Se você investia no Tesouro Selic com esse objetivo, a queda na Selic não vai mudar muito da sua estratégia. O Tesouro continua sendo uma boa opção nesse caso, até porque o principal fator para escolher ele sempre foi a liquidez.

Agora, caso o seu objetivo no tesouro era ter um rendimento mais acentuado devido às taxas altas, você tem 2 opções: Tesouro IPCA ou renda variável.

Isso porque temos 2 cenários:

Em um, pode ser que o rendimento do tesouro IPCA caia um pouco mais, o que permite quem garantir o investimento agora ter ainda uma chance de conseguir resgatar antecipadamente e garantir um ágio no investimento.

O problema é que essa possibilidade não é alta. Como o mercado precifica o futuro, seria mais, efetivamente, uma aposta.

E já no segundo cenário, você aceita que grandes retornos não são mais possíveis no Tesouro, e parte para conseguir maiores ganhos em um mercado mais arriscado. Só que, nesse cenário, é importante entender que há riscos, e que você vai depender da forma como você consolida sua estratégia para se dar bem.

Porém, cuidado: você sempre tem que prezar por uma carteira bem estruturada, e isso não implica em uma carteira onde você investe apenas pensando na rentabilidade.

Você precisa de estrutura em uma carteira de investimentos, e essa estrutura vai desde investimentos que possam te servir como fundo de emergência a até investimentos que deixem seu dinheiro preso mas que rendem mais. Fique atento a isso.

Diversificação

E, por último, o tesouro também pode ser relevante quando você quiser diversificar seus investimentos.

É um investimento dos mais seguros do mercado e que pode ajudar bastante a reduzir o risco da sua carteira como um todo. Então, mesmo que não renda tanto assim, ele ainda pode lhe ser útil na gestão de risco dos seus investimentos.

Mas Thiago, e o Tesouro Prefixado?

Este, assim como o Tesouro IPCA, dependem muito como o mercado irá reagir. Isso porque, em ambos, há uma diferença em relação ao Tesouro Selic: A queda de juros implica em mudanças no preço de mercado do título, o que pode fazer com que você realize ganhos ou prejuízos em uma venda antecipada do título.

Basicamente, quando os juros começaram a cair, os títulos adquiridos que tinham uma taxa muito alta ficaram valorizados no mercado, e o preço deles aumentaram. Como há uma revenda quando se resgata antecipadamente, muitas pessoas ganharam valorizações muito altas.

Isso tornaria o Tesouro IPCA e o Prefixado boas opções? É possível, mas não há garantia.

Isso porque, quando os juros começaram a cair, isso pegou o mercado de surpresa, e fez com que essas valorizações fossem possíveis. Porém, agora que já é esperado que os juros abaixem, os rendimentos dos títulos já estão com as quedas devidamente precificadas em seu valor.

Então, se os juros caírem ainda mais, não seria possível toda essa valorização que ocorreu no começo.

Por isso, para estes investimentos irem bem, dependem das expectativas do mercado em relação ao juros e a inflação.

Na dúvida? Siga os objetivos.

Se o Tesouro IPCA, por exemplo, lhe era útil por ter um rendimento acima da inflação e você o aproveitava para a sua aposentadoria, ele ainda pode lhe servir. Mas ainda é muito válido que compare com outros investimentos, como CDBs e até mesmo previdências privadas.