Instituto garimpa alunos ‘geninhos’ e dá formação especial
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Instituto garimpa alunos ‘geninhos’ e dá formação especial

Jovens que têm alta iniciativa e talento acima da média em áreas específicas são 'lapidados' por ONG criada por professora de física

Redação

02 Dezembro 2014 | 06h49

Diferenciado. Nuricel (à dir.) e alunos do Alpha Lumen, que está com inscrição aberta até o próximo sábado, dia 6 de dezembro. Foto: Pedro Ivo Prates / Estadão

Nuricel (à dir.) e alunos do Alpha Lumen, que está com inscrição aberta até o próximo sábado, dia 6 de dezembro. Foto: Pedro Ivo Prates / Estadão

 

Cris Olivette

Formada em física, com habilitação em astronomia pela USP, Nuricel Villalonga Aguilera se tornou, ao longo dos anos, uma lapidadora de jovens que têm alto potencial, mas que não encontram o suporte necessário para desenvolver suas habilidades no modelo tradicional de ensino. “Atendo 150 estudantes com este perfil no Instituto Alpha Lumen, inaugurado em 2013, em São José do Campos.”
Nuricel conta que fundou o embrião do instituto em 1995, com o nome Escola Aberta. “Nesse formato, as atividades ocorriam nas escolas públicas da capital paulista e do interior, no contraturno das turmas.”
Com o tempo, sentiu necessidade de ter um colégio para trabalhar melhor a garotada. “Agora, eles estudam em período integral e se tornam multiplicadores nas escolas públicas.”
Segundo ela, os alunos usam o talento que possuem em programação ou robótica, por exemplo, para dar cursos em escolas públicas, supervisionados pelos professores do instituto. “Essa experiência é fantástica para eles, que elaboram melhor o conhecimento e vinculam seus talentos a uma espécie de responsabilidade social.”
Parte da garimpagem de novos alunos ocorre a partir de cursos como de robótica, programação, preparatórios para olimpíadas científicas e em eventos de empreendedorismo realizados pelo instituto, que são abertos a qualquer estudante.
O Alpha Lumen é uma Ong mantida, em parte, por alunos que podem pagar as mensalidades. “Quem não tem recursos não paga. Também recebemos contribuição de empresas e de fundações como a Lemann e a Estudar.” Ela diz que em breve, a Embraer montará um laboratório de robótica para eles. “Outras empresas apoiam os estudantes que vão para universidades internacionais.”
Até via online Nuricel dá suporte a estudantes de outros Estados. “Muitos são de cidades pequenininhas e não têm nenhum tipo de apoio. Estamos sempre em busca de novos parceiros para que possamos trazer mais jovens talentosos para estudar conosco. Empresas que queiram adotar um aluno são muito bem-vindas. Quero dar oportunidade para todos que têm esse perfil e querem agarrar a vida pelas rédeas.”
O Alpha Lumen oferece ensino fundamental e médio. “Nosso sistema é muito interessante. As turmas não são separamos exatamente por série, mas por competências. Trabalhamos o conteúdo exigido pelo MEC e muito mais.”
Um exemplo é o aluno do oitavo ano, Victor Hugo Pedrota, que assiste as aulas de física e matemática com a turma do terceiro ano do ensino médio. Ele vai concluir esse conteúdo agora no final do ano. A partir de 2015, terá aulas de nível universitário. “Quando entrar em uma universidade internacional poderá eliminar matérias.”
Ela conta que o ex-aluno, Gustavo Haddad Braga foi aprovado em Havard, Stanford, Yale, Princeton e MIT, onde concluiu engenharia elétrica em apenas dois anos.”
A fórmula criada por Nuricel torna o aprendizado prazeroso para jovens com alto potencial. “No ensino convencional, enfrentam dificuldades e chegam a ser reprovados. Aqui, muitos empreendem antes de concluir o nível médio. Jonatham Lima, que está no segundo ano, por exemplo, acaba de se associar a Pagar.me, startup criada pelo ex-aluno Henrique Dubugras.”