EDILAINE FELIX

27 Fevereiro 2016 | 16h04

BROESP10: EST_SUPL2-EMPREGOS-PÁGINAS  [EMPREGOS] ... 14/1

Por Sandra Loureiro, professora da PUC e psicóloga

Momentos de crise são épocas desafiadoras para empresas e profissionais. Semelhante à tragédia de Sófocles, na qual a Esfinge propõe enigmas para atormentar os habitantes de Tebas, tempos difíceis nos colocam frente a questões intrincadas que precisam ser equacionadas sob a pena de, se não o fizermos, sermos devorados.

Diante das dificuldades, empresas precisam avaliar e ajustar recursos, mudar processos e estratégias, revisitar crenças e maneiras de pensar, reposicionando-se para permanecerem vivas e competitivas.

O processo em geral é doloroso. Não raro, algumas desaparecem. Outras, porém, vão além, e se reinventam.
Do ponto de vista do indivíduo e sua carreira, não é diferente. Períodos de crise trazem à tona problemas e obstáculos como o desemprego, estagnação profissional, ganhos insatisfatórios e outros.

Essas questões são um teste às nossas verdadeiras motivações e convicções. Colocam à prova a nossa trajetória. Tais momentos, podem se transformar em alavancas para descobertas importantes rumo a lugares não antes vislumbrados, geradores de maior significado e satisfação.

Mudanças de rumos, umas radicais outras nem tanto, geralmente ocorrem quando estamos em xeque e passamos a escutar as inquietações e apelos internos, fazendo uma revisão do que, como e por que estamos realizando o nosso trabalho.

Em pesquisa recente, conheci profissionais que realizaram esta tarefa: Artur trocou um cargo de gestão numa multinacional para se dedicar à profissão de fotógrafo; Berenice, diante de uma depressão, cujo tratamento lhe custou boa parte do dinheiro que havia acumulado nos sete anos de trabalho em um grande banco, mudou de empresa e de estilo de vida; Vivian descobriu que há muitos caminhos na engenharia e trocou a operação da fábrica pela pesquisa acadêmica.

Os exemplos são muitos. Não se trata de simples adaptações forçadas de rota. São mudanças significativas de quem teve a coragem de encarar a si mesmo para descobrir as próprias respostas, enfrentar as incertezas do caminho e pagar o preço devido.

Crises são incômodas, mas nos convidam a uma reavaliação profunda, muitas vezes causadora de angústia e sofrimento. A recompensa é o sangue correndo nas veias e a boa sensação das energias que se renovam, dando lugar ao curso dinâmico da vida. Até o próximo enigma chegar

Mais conteúdo sobre: