As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Jovem precisa ter perseverança, resiliência’

Dirigente de empresa de tecnologia também diz que o líder deve ser comunicativo e saber reconhecer o mérito dos profissionais

Redação

09 Outubro 2017 | 07h42

Marcel Bakker. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

O executivo Marcel Bakker acredita que a bagagem multicultural proporcionada por sua família o ajudou na carreira. Por exemplo, quando se tornou responsável pelo setor de vendas da francesa Welcome Real Time na América Latina, exceto Brasil. “Eu tive acesso a diversas culturas dentro da própria família. Pai holandês, mãe argentina, irmãos brasileiros, uma tia holandesa que casou com um ex-jogador de futebol na Itália, primos italianos. Um modelo policultural no qual eu já estava inserido desde pequeno. Isso (a diversidade) me ajudou nessa empreitada na América Latina.” Permaneceu por dois anos nessa empresa.

Seu primeiro emprego, porém, foi na Câmara Americana de Comércio (Amcham) ainda na época da graduação em direito no Mackenzie. Na sequência, trabalhou em uma empresa de tecnologia, a Sisgraf, que era representante exclusivo da Intergraf. Foi trainee na área de vendas, mas com viés de direito, porque trabalhava muito com editais e licitações. Ainda na época de universitário, quis ter outras experiências e se tornou um trader júnior de soja. Posteriormente, voltou para a área de tecnologia e foi para a Intera, BMC, EMC, Welcome Real Time e RSA antes de chegar à CA Tecnologies, uma empresa de softwares para o mercado corporativo de origem americana, fundada há 40 anos e que há 37 está no Brasil. Aqui, são cerca de 300 funcionários.

“É uma empresa que acredita no Brasil. Atendemos, por exemplo, os dez principais bancos, todas as operadoras de telefonia, temos uma presença grande no mercado corporativo”, diz Bakker, que além da formação em direito cursou MBA em tecnologia e negócios eletrônicos pela Universidade de São Paulo (Fundace-USP) e participou de cursos de extensão em economia e gestão internacional da LSE (Inglaterra) e L’IAE Grenoble (França). Conheça, a seguir, algumas de suas ideias.


Paixão e inspiração
Temos de ter paixão pelo que fazemos e sempre buscamos uma inspiração. Meu pai sempre foi uma inspiração muito forte para mim, ele era o executivo principal de uma companhia, e sempre tive como meta um dia ser o presidente de uma empresa.

Comunicador
Temos de ser bons comunicadores, ter transparência e clareza, sempre, com colaboradores e clientes, ter atitude extremamente positiva, estimular sempre a colaboração e o engajamento. São características que me levaram a ser alguém que inspira e que sempre está desenvolvendo um talento.

Estímulo e conhecimento
Hoje vivemos numa era em que todos temos conhecimento muito grande, mas também temos uma expectativa altíssima e uma tolerância muito baixa. É um desafio constante estar sempre na vanguarda, antenado com o que está acontecendo, saindo na frente da concorrência, e estimulando os talentos internos.

O líder
Acho que o líder de fato tem de saber reconhecer os méritos dos profissionais. Temos de liderar por exemplos e poder inspirar todos os colaboradores. Oferecer feedback e receber feedback, ouvir os colaboradores é algo que tem de estar sempre no cerne como uma das metas principais. Acreditar no coletivo, ou seja, ninguém faz nada sozinho, reconhecer as limitações e sempre pedir ajuda.

Autossuficiência
Uma coisa interessante que fazemos aqui na empresa, na CA, é empoderar o colaborador. Ao contratar um profissional que tem de fato a aptidão e o skill adequado para aquela função, esse profissional não precisa que alguém lhe diga o que ele tem de fazer, ele tem de ter autossuficiência para poder seguir. Ao aplicar o empoderamento, passamos a ter uma performance fantástica e a empresa caminha para o êxito absoluto.

Estímulo e engajamento
Nós temos sempre que estimular de fato a participação e o engajamento dos profissionais, isso é um fator que ajuda a criar uma relação de confiança. Ajudar os profissionais no desenvolvimento, proporcionar o coach, ter planos de sucessão bem definidos. É isso que o colaborador espera, um local onde ele possa se desenvolver e que tenha líderes que o inspirem. É um desafio. Estamos sempre engajados, escutando, proporcionando e recebendo feedback, sempre tendo de ouvir, tendo clareza e transparência, para poder ganhar a confiança dos colaboradores. Acho que o líder reflete tudo isso.

Admiração
Eu gosto muito de Steve Jobs. Eu leio e releio a biografia dele, porque é uma fonte inspiradora incrível. É uma pessoa que criou uma série de tecnologias que foram disruptivas e realmente fizeram a diferença. A história desse profissional é realmente algo inspirador.

Persistência
O jovem precisa ter persistência, perseverança, resiliência e determinação. Temos sempre de sonhar, mas não somente sonhar, temos de nos colocar metas e colocar ações e planejamento em cima disso. Uma vez que você tenha uma meta bem traçada, definida, e você realmente quer buscar isso, é correr atrás. A maioria das pessoas que têm histórias de sucesso adquiriram talentos ou por repetição ou por ter uma persistência, perseverança muito grande, muito mais do que pessoas que têm realmente um dom. / CLÁUDIO MARQUES