As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Especialista recomenda preparo físico e psicológico a quem presta concurso

CRIS OLIVETTE

01 Abril 2018 | 07h33

Letícia Nobre. Foto: Luciano Valarins/Divulgação

A profissional de recursos humanos Letícia Nobre usa técnicas de coaching para ajudar futuros servidores públicos a concretizar o sonho da aprovação em concursos. A seguir, ela dá dicas a respeito do tema.

O que avaliar na escolha do concurso?
A escolha deve partir da ideia de construção de carreira e não da prova que será feita. É um erro comum a escolha do concurso pela quantidade de vagas, salário e tipo de prova e não pelo cargo a ser exercido. Pensar assim adia a aprovação, gera gastos emocional, financeiro e físico. É importante que o candidato se identifica com a função e saiba como funciona a rotina de trabalho. Essa escolha afeta o foco, a motivação e a determinação.

Como é a rotina de quem está se preparando?
A pessoa deve entender que tem diversos papéis e que o concurso deve se adaptar à vida dela e não o contrário. Estudar é a parte mais fácil do processo, tendo em vista toda a organização física e emocional necessárias para aprender os conteúdos. Tem de ser realista: não adianta querer estudar 5 horas seguidas se nunca fez isso antes. Respeitar os próprios limites é essencial, e o único caminho para superá-los. O autoconhecimento faz enorme diferença.

Qual ordem a ser seguida?
O processo de assimilação leva em conta tanto o aprendizado teórico, a fixação dos conteúdos, a realização de testes, a avaliação do que foi retido na memória e ajustes, como revisão das disciplinas, tudo isso sistematicamente. A falta dessa organização leva muita gente para a desistência.

Qual é o peso da preparação física e psicológica?
Eles têm peso enorme, porque é um projeto que exige muito esforço e equilíbrio. Se exercitar ajuda na oxigenação do cérebro, no processo de aprendizagem e a enfrentar longas horas de estudo. Alongamentos também são bem-vindos para evitar dores nas costas. No aspecto emocional, o autoconhecimento é fundamental para lidar bem com a ansiedade, própria do processo de preparação, bem como para ser capaz de desenvolver a autonomia e a autogestão, fazer boas escolhas e se manter resiliente e persistente.