Novidades e modismos no  mundo do trabalho
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Novidades e modismos no mundo do trabalho

O assunto é 'recrutamento cego', ou 'recrutamento às escuras'

Claudio Marques

24 Fevereiro 2018 | 16h02

Imagem: Pixabay

Elisabete Adami Pereira dos Santos, professora da PUC

Como temos visto, há uma verdadeira sofreguidão para eliminar atitudes preconceituosas em qualquer das ações vinculadas à gestão de pessoas. E, há dois anos, aproximadamente, estamos ouvindo e lendo sobre algumas práticas utilizadas no processo de recrutamento de pessoas para as organizações, principalmente nos países desenvolvidos. Em minha pesquisa, descobri que o governo australiano produziu um estudo vasto e profundo sobre o assunto e em todas as áreas do governo (14 agencias federais) o recrutamento deve ser anônimo.

O assunto é, então, “recrutamento cego”, ou “recrutamento às escuras”. No Brasil, isso se intensificou. Em dois meses, para se ter uma ideia, o tema foi tratado pelo jornal Valor Econômico e revista Você S/A. E o que vem a ser isso? Resumidamente é a ocultação de qualquer dado relativo às pessoas recrutadas que podem levar a identificação de gênero, idade, etnia, e até o nome, pois se tornou comum dizer que o nome, além de identificar o gênero (às vezes não), mostra classe ou camada social, e até etnia à qual a pessoa pertence. Até a instituição em que a pessoa se formou some do currículo, porque, dizem, é um dos maiores elementos que podem levar a preconceitos na escolha dos candidatos.

Caminha-se, no recrutamento, até um determinado ponto só tendo informações sobre as habilidades, experiências e entregas do candidato. E, obviamente, e obrigatoriamente, em determinado momento, há que se “conhecer” o indivíduo em entrevistas para identificar atitudes e comportamento, e a adequação do mesmo com a cultura organizacional.

Os efeitos positivos parecem ser claros…Eliminam-se, à princípio, os vieses inconscientes e discriminatórios presentes em cada um de nós. Mas há pontos a serem discutidos e o principal é demorar muito tempo para encontrar pessoas ajustadas à cultura da organização. Pode ser que ao chegar ao final do recrutamento não haja ninguém com as características ideais para aquela empresa.

Mas, sem dúvida, é um avanço, muito aplaudido pelos hipsters e descolados, apesar do que diz uma amiga, competente e reconhecida profissional na área: as pessoas fazem confusão entre discriminação e preconceito, e o recrutamento é por si só discriminatório.