As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O futuro das carreiras é migrar para as carreiras do futuro?

Artigo da Business Insider apresenta as carreiras mais promissoras do futuro

blogs

12 Maio 2018 | 16h44

Ilustração de Carlos Müller

Fabricio César Bastos, professor da PUC

Para nos prepararmos para a 4ª Revolução Industrial, marcada pela convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas, é necessário analisarmos o futuro das carreiras.

Atualmente, as estruturas organizacionais espelham uma nova hierarquia, em que a promoção tradicional começa a ser conciliada com possibilidades de experiências e movimentos de carreira com modelos mais flexíveis e abertos. Josh Bersin, líder de pesquisas da Deloitte, indica que a trajetória de carreira deve ser observada como o surfe: os profissionais identificam as “ondas” do momento e as competências necessárias para poder surfar nelas.

Neste sentido, pode haver uma corrida para as carreiras indicadas como sendo “do futuro”. Artigo da Business Insider (The 21 most promising jobs of the future) apresenta as carreiras mais promissoras do futuro. Geralmente, integram tecnologia, agronegócio, energia, saúde e educação.

Estudo sobre o mercado de trabalho (Presente y futuro del mercado laboral), da consultoria Lukkap, indica três tendências no ambiente corporativo, que influenciarão as carreiras: skills on demand (“competências sob demanda”), employee life cycle (“ciclo de vida do colaborador”) e paid as you work (“pagamento de acordo com entregas”).

Skills on demand se refere à criação pelas organizações de uma relação de contrato com empregados como se combinasse um trabalho de freelancer com tempo parcial ou integral. O employee life cycle considera as fases de vida de um colaborador em três pilares: saúde, tempo disponível e remuneração. Assim, esta tendência procura alinhar o momento de vida do colaborador com projetos e disponibilidade de dedicação de horas na jornada de trabalho.

Paid as you work funciona como uma remuneração que poderá variar a cada mês, pois tem como referência as “entregas” dos profissionais, considerando a relevância, responsabilidade e impacto no negócio. Vale ressaltar que estas tendências devem observar a cultura e legislação trabalhista de cada país.

O futuro das carreiras é migrar para as carreiras do futuro? Para responder esta questão creio ser necessário refletir sobre as competências que nos diferenciam enquanto profissionais. E desenvolver novas habilidades que serão requisitadas pelo mercado.