Os colegas de trabalho acham que você é contagioso. Você sabe que não
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os colegas de trabalho acham que você é contagioso. Você sabe que não

REDAÇÃO

28 Março 2018 | 13h40

Foto: Kelly Sikkema/Unsplash

The New York Times

Como uma pessoa nascida nos anos 1970, sou sensível às diferenças entre mim e os membros da minha equipe, que são mais jovens: a maioria nascida na década de 1990. Dito isto, fiquei muito surpreso quando, durante um bate-papo com eles, falando sobre infância, eu contei que certa vez havia bebido água da mangueira de um jardim. Quando contei essa história, os mais jovens reagiram com nojo e repulsa: “Você ingeriu todos aqueles germes? Ugh!”

Lembrei-me disto recentemente, depois ter uma gripe e ficar ausente durante dois dias. Recuperado, retornei ao trabalho, e uma jovem da minha equipe, que estava a quatro metros de distância, encostou-se na parede, murmurando “não quero ficar doente”, e correu para sua sala.  Outro funcionário, que veio ao meu escritório para uma reunião, evitou tocar em qualquer coisa e chegou a fechar a porta com o cotovelo, provavelmente para evitar qualquer contágio. Durante o dia todo, ele e os colegas me seguiram furtivamente com lenços úmidos, procurando apagar qualquer traço de “germes” que eu pudesse deixar atrás de mim.

Não sou uma pessoa desarrumada ou suja. Na verdade sou bem meticuloso. E durante esse episódio estava em perfeito estado de saúde. Considero esse comportamento grosseiro e nada profissional, e não consigo imaginar qual seria sua reação se tivessem de tratar com um visitante ao nosso escritório na mesma condição. Como devo discutir o assunto com funcionários que  — diante dessas táticas duvidosas de “prevenção” – evidentemente acham que sua saúde vem antes do decoro social e do respeito aos outros?

— C.P.

Rob Walker, o ‘workologista’ responde:

Penso que esse aspecto geracional é uma distração. Uma pesquisa conduzida no ano passado em nome da City MD,  rede de clínicas de atendimento de urgência, concluiu que as pessoas em idade entre 18 e 35 anos acometidas de gripe são muito mais propensas do que aquelas mais velhas a se aventurarem no mundo, apesar de se sentirem doentes.

Antes de seguir em frente, vamos admitir que as pessoas que estão enfermas, com uma doença potencialmente contagiosa não devam ir trabalhar. Contudo, todos que trabalham em um escritório já tiveram a experiência de ter um colega espirrando ou com nariz escorrendo que insiste em vir trabalhar. E essas pessoas agem assim por necessidade econômica ou mesmo achando erroneamente que a empresa não pode ficar sem elas. O colega possivelmente contagioso é um dos vilões mais familiares na rotina de um escritório.

Todos nós deparamos com esta ameaça, especialmente na estação em que a gripe se propaga. E é compreensível que seus colegas estejam preocupados. Debata o assunto diretamente com eles, mas com calma: trate o episódio como um simples equívoco e não um confronto entre gerações. Assegure aos seus colegas que você está bem de saúde e não ameaça a saúde de ninguém. Que você os valoriza muito e não colocaria a saúde deles em risco. E que devem mostrar o mesmo respeito para com você.

Dê espaço para eles retrucarem. Talvez você esteja de fato tossindo mais do que pensa. Neste caso, que isso fique claro e aceite a situação. Você pode sair desse episódio com um ambiente no escritório mais saudável.