Artigo: Compostagem em condomínios
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Artigo: Compostagem em condomínios

blogs

22 Setembro 2015 | 06h02

Modelo de composteira doméstica.  FOTO: CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Modelo de composteira doméstica.
FOTO: CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Por Luiz Henrique Ferreira*

No Brasil estima-se que a produção de resíduos sólidos urbanos seja de mais de 260 mil toneladas por dia, sendo que 51% deste total é composto por resíduos orgânicos, destacando-se os restos de alimentos, galhos e folhas de vegetação. Estima-se que apenas 2% desses resíduos sejam valorizados atualmente.

A nova Política Nacional de Resíduos Sólidos determinou que a partir de agosto de 2014, deveriam ser encaminhados para aterros sanitários apenas resíduos que não pudessem ser valorizados ou reciclados. Porém, enquanto observa-se um aumento da conscientização e do engajamento da população em relação aos “resíduos recicláveis”, entendidos de modo geral como papel, plástico, metal e vidro, quase a totalidade dos resíduos orgânicos continua sem nenhum tipo de valorização.


O Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do Município de São Paulo, decretado em abril de 2014, tem como uma das diretrizes o incentivo à compostagem. Em 2014, a Secretaria de Serviços e a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) promoveram o projeto Composta SP, que distribuiu duas mil composteiras domésticas, além de oficinas sobre o tema.

A valorização dos resíduos no local de geração é uma solução já consagrada em diversos países e regiões do mundo como, por exemplo na Califórnia, onde aproximadamente 80% de todo o resíduo orgânico gerado é valorizado. Esta ação conta com o apoio da administração pública, que incentiva o tratamento descentralizado dos resíduos por entender que esta é uma solução muito mais econômica do que acumular e transportar por dia milhares de toneladas de resíduos que não passaram por triagem.

Os principais benefícios da compostagem são a diminuição da sobrecarga dos aterros sanitários, redução de emissão de gases de efeito estufa, incentivo à educação ambiental, estímulo da integração social, do convívio e da economia de recursos financeiros através da geração do próprio adubo. Um outro ponto muito importante da compostagem é que o morador passa a ter contato direto com o resíduo que gera, em vez de simplesmente descartar um saco de lixo para coleta pública, e perder contato com o resíduo a partir do momento em que ele passa pela porta de casa. O tratamento do próprio resíduo proporciona ao gerador a consciência do desperdício de comida, e diversos estudos já comprovaram que pessoas habituadas com a compostagem desperdiçam menos comida e economizam no final do mês.

O primeiro passo para implantar uma composteira doméstica é estimar a quantidade de resíduos orgânicos gerados na residência, que deve ser compatível com o tamanho da composteira. É importante lembrar que o ciclo completo de compostagem pode demorar até 2 meses, e uma família de 4 pessoas gera em média 1,5 litro de resíduo orgânico por dia.

Hoje há diversos modelos de composteiras sendo vendidos e a maioria delas é baseada em 3 caixas empilháveis de plástico, sendo as duas (no topo) digestoras com furos no fundo e a última para coleta do chorume produzido no processo que, normalmente, vem com uma torneirinha para facilitar sua coleta. Também há no mercado composteiras elétricas automáticas, que prometem processar os alimentos em apenas 24 horas (em comparação às composteiras tradicionais, em que o processo pode levar até 2 meses).

Em residências com mais espaço ou nas áreas comuns de condomínios, também é possível construir composteiras com baixo custo em vez de comprar uma, e o cuidado adicional é que elas devem ficar em locais cobertos, para evitar o acúmulo de umidade. Um outro ponto importante a ser considerado antes de iniciar o processo de compostagem em um condomínio é a conscientização de todos os moradores sobre o que pode e não pode passar por compostagem. Resíduos como laticínios, gorduras, arroz cozido, massas, carnes, restos de alimentos cítricos, cebola e alho podem retardar o processo de compostagem, além de eventualmente atrair insetos e causarem cheiro ruim. Além disso, é importante que haja um responsável pela manutenção da composteira, que consiste basicamente em revolver os resíduos periodicamente para que seja incorporado ar à matéria orgânica e garantir que haja uma cobertura com folhas secas, palha ou outro material que proteja os resíduos do tempo e de insetos.

* Idealizador do Instituto Casa AQUA, é CEO da Inovatech Engenharia