‘É ótimo momento para fazer negócio no litoral’, diz executivo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘É ótimo momento para fazer negócio no litoral’, diz executivo

Vice-presidente da Abyara Brasil Brokers afirma que é possível achar unidades cujos preços estão mais baratos hoje do que no lançamento

EDILAINE FELIX

20 Setembro 2015 | 08h01

Empreendimento em Santos (Divulgação / Rossi)

Empreendimento em Santos (Divulgação / Rossi)

Dados do estudo da Inteligência de Mercado do Grupo Brasil Brokers sobre a oferta de empreendimentos residenciais verticais lançados nos municípios de Santos, São Vicente, Guarujá e Praia Grande mostram que esses quatro municípios da Baixada Santista receberam 182 empreendimentos entre janeiro de 2012 e junho de 2015. Foram oferecidas 17.114 unidades, sendo que ainda há 5.635 em estoque.

“Em momento de retração quem tem estoque faz grandes promoções para vender. Muitos empreendimentos estão mais baratos do que quando foram lançados. É um ótimo momento para fazer negócio”, afirma o vice-presidente comercial da Abyara Brasil Brokers, Bruno Vivanco.

No período de janeiro de 2012 a junho de 2015, Santos recebeu a maior quantidade de unidades residenciais nos três anos: 7.416 unidades, distribuídos em 62 empreendimentos. Dos lançamentos, 67% dos apartamentos estão vendidos e há 2.484 em estoque.

Praia Grande vem em seguida, com 6.886 apartamentos, em 85 prédios, sendo que 5.112 foram vendidas (74%) e 1.774 estão em estoque. Do total de 26 empreendimentos lançados no Guarujá, somando 2.553 unidades, 1.383 foram vendidas (54%) e 1.170 em estoque.

Finalmente, São Vicente recebeu um total de nove empreendimentos residenciais, divididos em 467 unidades, sendo que 259 foram vendidas (55%) e 208 estão em estoque.

Presença paulistana. O levantamento feito pela Abyara também revela que, 29% dos compradores de imóveis de Santos e 52% do Guarujá são de São Paulo, sendo que a maior parte dos paulistanos é da região sul da capital.

Vivanco diz que o mercado de Santos sempre foi muito interessante para São Paulo. Além das praias, a cidade de Santos, com cerca de 430 mil habitantes, possui ampla infraestrutura de comércio, serviços, escolas, universidades e o porto. A descoberta do pré-sal impulsionou o mercado imobiliário de toda a região, embora hoje a euforia com o petróleo tenha ficado para trás.

“O que vende são os imóveis pronto e o semipronto. São esses que levam as incorporadoras a ter mais necessidade de gerar liquidez”, diz.

Atuando nos municípios de Santos e Guarujá desde 2000, a construtora e incorporadora Rossi Residencial já entregou produtos com tipologia bem variadas de imóveis de 48 metros quadrados a 204 metros quadrados. E o perfil predominante do comprador local é de casais com filhos para diferentes fins.
“Identificamos na região os tipos de procura de acordo com cada produto. No Rossi Mais Santos, localizado na Zona Noroeste de Santos, a procura é para moradia do público local”, afirma o gerente nacional de marketing da incorporadora, João Härter.

O executivo prossegue: “Já o Reserva Enseada, na Praia da Enseada no Guarujá, a procura é para veraneio. Ambos os produtos também são procurados para investimento”.

O preço médio do metro quadrado dos empreendimentos da Rossi nos municípios de Santos e Guarujá varia entre R$ 4 mil e R$ 6 mil.

VEJA MAIS: Proximidade com a capital atrai morador e veranista

De acordo com Härter, a procura por imóveis no litoral paulista tem se mantido, apesar da crise econômica vivida hoje pelo País.

“Atualmente, identificamos um aumento da demanda por empreendimentos mais próximos da entrega”, ressalta o gerente da Rossi.