Proximidade com a capital atrai morador e veranista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Proximidade com a capital atrai morador e veranista

Combinação de cidade com boa infraestrutura e praia que resulta em boa qualidade de vida é diferencial

EDILAINE FELIX

20 Setembro 2015 | 08h00

Empreendimento horizontal no Guarujá (Divulgação / Rossi)

Empreendimento horizontal no Guarujá (Divulgação / Rossi)

O diretor financeiro e de relações com investidores da Eztec, Emílio Fugazza, lembra que a cidade de Santos está próxima da capital paulista, o que é atraente tanto para o paulistano interessado em moradia quanto para veraneio.

“A cidade conseguiu preservar suas origens ao mesmo tempo em que incorporou a dinâmica de uma cidade rica em serviços e comércio, acolhendo novos moradores atraídos pela combinação de qualidade de vida litorânea e a infraestrutura cosmopolita”, acrescenta.

A Eztec acaba de lançar o seu primeiro empreendimento em Santos. Trata-se de um condomínio-clube com unidades de 63 a 88 m² com preços que podem partir de R$ 418 mil por unidade. “Dado o perfil da população de Santos, bem como a intensa atividade econômica na região, a companhia já possui terrenos para investir em novos projetos, a serem lançados em momento oportuno”, diz.

Legislação. O diretor de Assuntos Corporativos da Helbor Empreendimentos, Roberto Viegas, conta que a empresa passou a atuar em Santos em meados de 2000, no momento em que a legislação municipal foi atualizada e possibilitou a construção de edifícios mais elevados, acima dos 17 andares até então permitidos. Em São Vicente, a atuação começou em 2012.

“Em Santos, já entregamos 13 empreendimentos que somam mais de 1.600 unidades, entre salas comerciais e apartamentos. Os comerciais foram desenvolvidos a partir de uma carência notada na

Baixada Santista de salas sem vagas de estacionamento”, diz.
Segundo Viegas, a Helbor, desenvolve produtos para quem já mora ou para quem deseja morar em Santos.

“Nos últimos meses, temos comercializado unidades comerciais e residenciais, e muitas visitas de potenciais clientes, que pesquisam não apenas por conta do preço, mas também pelas condições de financiamento”, diz.

Projetos avançam para além da orla

Segundo vice-presidente executivo da imobiliária VivaReal , Lucas Vargas, nas cidades de Santos, Guarujá, Praia Grande e São Vicente os lançamentos dos últimos anos saíram da faixa da praia e se concentraram mais na região intermediária da cidade (entre praia e centro).

“Já percebemos queda no preço, muita oferta para pouca demanda. Para vender, as empresas ajustam os preços.”

Vargas ainda lembra que os bairros da praia se valorizam mais, assim como concentram mais residências de veraneio do que moradia.

Em relação aos preços, o executivo da VivaReal diz que os municípios de Santos e Praia Grande são os mais estáveis. Já Guarujá e São Vicente registraram maior valorização.

No levantamento da imobiliário, o preço do metro quadrado do usado em Santos passou de R$ 4,9 mil em 2014 para R$ 5 mil em 2015. Em Praia Grande, o metro quadrado no ano passado era de R$ 3.450 e em 2015 está cotado a R$ 3.550.

LEIA MAIS: ‘É ótimo momento para fazer negócio no litoral’, diz executivo

Guarujá tem hoje o metro quadrado avaliado em R$ 4,35 mil ante R$ 4,2 no ano passado, enquanto em São Vicente passou de R$ 3,7 mil em 20104 para R$ 3,9 mil neste ano.

“O patamar de variação é praticamente o mesmo, entre 2% e 3% de alta. Os preços não devem crescer imediatamente e essa é uma boa oportunidade para comprador e vendedor”, diz.