O que fazer ainda este ano para reduzir o Imposto de Renda em 2018

Regina Pitoscia

11 Dezembro 2017 | 00h07

Sabe aquela consulta médica ou aquele exame que você pensou fazer durante o ano e foi deixando de lado por falta de tempo? Esse é um bom momento de colocá-los em dia. Não apenas por questões de saúde, mas também por vantagens financeiras.

Toda despesa que tiver até o último dia útil de dezembro com médico, dentista, fisioterapeuta, psicólogo, fonoaudiólogo e outros profissionais da saúde poderá reduzir o imposto de renda a pagar ou aumentar o valor da restituição na declaração do ano que vem. Você poderá usar esses gastos como dedução de imposto em 2018. Lembrando que é sobre a movimentação financeira deste ano que você declara no ano que vem.

A mesma possibilidade existe para os gastos com exames de laboratório e radiológicos, hospitais, clínicas e planos de saúde. Ainda na lista das despesas passíveis de desconto sobre o rendimento bruto, para diminuir o imposto do ano que vem, estão as relacionadas com próteses dentárias e ortopédicas, aparelhos ortopédicos, além de cirurgias plásticas, reparadoras ou não.

Não há limite de valor para o que foi desembolsado na área da saúde como dedução. Os gastos podem ser descontados integralmente de seus rendimentos para o cálculo do imposto. Mas isso apenas para quem fizer a declaração de renda pelo modelo completo. Quem optar pelo simplificado terá de usar o desconto-padrão, que substitui todas as deduções permitidas no completo.

Podem ser descontados da base de cálculo do imposto de renda os gastos médicos para tratamento próprio, de dependentes e de alimentandos, como filho de quem não se detém a guarda.

Previdência privada

Aproveite estes últimos dias do ano também para abrir um plano de previdência privada do tipo PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livres). Depósitos feitos nesses planos em 2017 podem ser usados para reduzir o equivalente a até 12% de seu rendimento bruto na declaração de 2018, preenchida no modelo completo.

A previdência privada é indicada para quem pretende ter uma renda complementar, além do benefício da Previdência Social, quando se aposentar. Ou, ainda, para a realização de um plano – uma viagem, a compra de um imóvel, o pagamento de um curso superior para o filho ou neto, e assim por diante. A ideia é sempre a formação de uma poupança no longo prazo.

Doações

Doações a entidades de apoio à criança e ao idoso, credenciados pelo governo, e a projetos culturais e esportivos, que estão previstos na legislação, poderão ser usadas igualmente para a dedução de imposto no modelo completo de declaração.

A contribuição poderá ser feita a fundos controlados pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Idoso e projetos aprovados pelo Ministério da Cultura, Agência Nacional de Cinema e Ministério do Esporte.

Há também projetos desenvolvidos pelo Ministério da Saúde, que recebem doações incentivadas, como o Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde e Pessoa com Deficiência (Pronas) e do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon). Fazem parte desses programas entidades respeitadas, com atuação de grande visibilidade, como o Hospital de Câncer de Barretos e Doutores da Alegria. Portanto, eis aí uma atitude duplamente positiva, pois além de contribuir com as atividades dessas organizações, você poderá reduzir o seu imposto de renda.

Para usar como abatimento, as doações devem ser feitas até dia 29 de dezembro. Com exceção das contribuições ao fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente, que serão válidas mesmo que realizadas até o fim de abril de 2018, na hora de preencher a declaração.

Há limites para a dedução das contribuições, que são fixados em função do imposto devido. É de 1% do imposto devido ao Pronon, 1% ao Pronas, e um total de 6% partido entre os demais projetos ou instituições. Como ainda não é possível ter esse dado do imposto devido, você pode usar o histórico de anos anteriores apenas para ter uma base.

Recibos

Para usar as despesas como dedução do IR será preciso ter e guardar os comprovantes. Caso a sua declaração seja retida em malha fina, você terá de apresenta-los à Receita Federal.

No caso de gastos com a saúde, a novidade para declaração do ano que vem é que a Receita vai aceitá-los mesmo sem endereço do profissional, clínica, hospital, laboratório, etc., que prestaram serviços. E isso desde que o Leão tenha condições de obter essa informação dentro da sua base de dados. Até este ano, comprovantes eram recusados quando incompletos.