Onde encontrar os CDBs que rendem mais do que a caderneta.

Regina Pitoscia

15 Dezembro 2017 | 03h21

(*) Com Tom Morooka

Quem não se conforma em ficar com o rendimento minguado da caderneta, mas não abre mão do porto seguro da renda fixa pode encontrar outras opções mais rentáveis e tanto quanto seguras no mercado. Em compensação, terá de deixar o dinheiro aplicado por prazos mais longos. Enquanto a caderneta rende agora 4,90% ao ano, alguns CDBs estão pagando uma rentabilidade mais próxima de 6,00% ao ano, ou até acima disso.

As plataformas digitais de investimento têm facilitado a vida de quem busca remuneração diferenciada. Elas oferecem títulos como CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), para citar os principais e mais conhecidos, emitidos por diversas instituições financeiras em variados prazos.

Alguns pontos em comum caracterizam essas corretoras online: permitem que o processo todo da aplicação seja feito pela internet, seja pelo computador, pelo tablet, ou celular. Basta fazer um cadastro, abrir uma conta e transferir o dinheiro para começar a aplicar. Mas antes disso, os sites costumam oferecer um material didático sobre as diferentes aplicações, dicas e orientações e simuladores de rendimento – alguns comparam o retorno dos títulos com o da caderneta. Em caso de dúvidas, há canais para falar com os profissionais da empresa.

Geralmente, os títulos oferecidos nessas plataformas vêm pagando rendimento superior à taxa básica de juros (Selic), de 7% ao ano. Os papeis são oferecidos por uma porcentagem do juro CDI ou DI (Depósito Interbancário), uma taxa que acompanha a variação da Selic e é usada para calcular o custo dos empréstimos diários trocados entre bancos. A remuneração varia de acordo com a instituição que emitiu o papel, valor e prazo de aplicação.

CDBs

Quanto maior o prazo do CDB, mais alta é a rentabilidade, até porque a alíquota do imposto de renda é decrescente ao longo do tempo. Para aplicações de até 180 dias, o imposto é de 22,5%, acima disso e até 360 dias, de 20%, acima disso e até 720 dias, de 17,5%, e acima de 720 dias, de 15%.

A taxa de juro depende também do banco emissor do título. Em tese, os papeis oferecidos pelas grandes instituições financeiras seriam mais seguros, por ter a sua solidez como garantia. Com esse atrativo, e ampla de rede de agências para captação, esses bancos não precisam pagar uma taxa tão atraente por seus CDBs. Ao contrário, os bancos médios ou pequenos precisam caprichar nas taxas para conquistar o investidor.

O fato é que com o Fundo Garantidor de Crédito, essa preocupação passou a ser irrelevante para boa parte dos investidores. É que o Fundo garante a devolução da aplicação, no valor de até R$ 250 mil, por CPF e banco. Isso caso a instituição financeira venha a ter dificuldades de pagar o resgate na data de vencimento.

Na prática, um mesmo aplicador pode ter assegurado seu investimento por valores bem superiores a esse limite, ao pulverizar os recursos, comprando CDBs por meio de diferentes bancos.

Rendimento

Ao informar o valor e o prazo da aplicação nos simuladores é possível ter uma boa ideia da rentabilidade que o mercado oferece por meio das corretoras online. Mas é preciso atenção, porque a base de comparação nem sempre é a mesma entre os sites em relação ao rendimento informado: líquido em alguns, depois do desconto dos impostos, e bruto em outros.

Considerando os dados fornecidos nos sites de quatro dessas plataformas de investimentos, para uma aplicação em CDB, pelo prazo de um ano, e um valor de R$ 5 mil, veja o que é possível conseguir de retorno:

Na simulação, a Rico Investimentos oferece 3 opções de CDB, um com rendimento líquido de R$ 317,95 (6,36%), outro de R$ 329,85 (6,60%), e o último de R$ 332,83 (6,66%). Na Pine Online, o rendimento anual oferecido é de R$ 299,87 (6,0%). O Banco Daycoval oferece uma opção com rendimento de R$ 294,56 (5,89%) e outra, com retorno de R$ 298,79 (5,98%).

A Poupa Brasil informa que o rendimento indicado na simulação, de R$ 330,59 é bruto, portanto, sem os descontos do imposto.

Só para comparar, a caderneta com seus 4,90% no ano renderia R$ 245,67 para esses mesmos R$ 5 mil.

Portanto, quem sabe que não vai precisar mexer no dinheiro pelo prazo de um ou dois anos, ou mais, pode encontrar uma remuneração mais interessante.