Arrependido de investir em previdência privada? Saiba o que fazer

Sílvio Guedes Crespo

19 Dezembro 2017 | 05h00

[Siga meus conteúdos também no Youtube]

Se você em algum momento começou a investir em fundo de previdência privada e se arrependeu, este artigo é para você.

Conversei com o professor de finanças Joelson Sampaio, da Fundação Getulio Vargas, para entender melhor o que é possível fazer nesse tipo de situação.

Na primeira resposta ele já disse que é preciso comparar o seu fundo com outros investimentos. Por isso, aproveitei e fiz uma planilha para quem quiser comparar o seu plano com outras aplicações financeiras e ver qual tende a oferecer mais dinheiro na sua aposentadoria (disponível gratuitamente até o Natal).

Outra coisa: se você tem interesse em assuntos sobre aposentadoria, uma dica é participar do grupo Planejando a aposentadoria no Facebook.

Abaixo, a entrevista com o professor Joelson Sampaio.

Sílvio Crespo: Como saber se vale a pena sair de um fundo de previdência privada?

Joelson Sampaio: Uma forma é comparar com outros investimentos. Fundo de previdência, em geral, perde para títulos públicos do governo. Porque ele tem taxa muito alta, de administração e carregamento, e vai acabar comendo um pouco da sua rentabilidade.

Eu diria que a melhor forma de você investir seja você mesmo comprando títulos do governo de longo prazo e ficando com eles até a maturidade (vencimento).

Nos fundos de previdência a gente paga para alguém fazer o que a gente poderia fazer. Por que a gente paga? Porque a gente às vezes não tem disciplina para fazer depósitos todos os meses, a longo prazo, por 20 ou 30 anos. E o fundo de previdência já pega do seu salário e faz a aplicação automaticamente, todos os meses.  

Se as pessoas compararem os fundos com outras aplicações no geral elas vão ver que eles não são a melhor opção, mas elas têm que se perguntar se vão ter disciplina para fazer os aportes mensais.

SC: Para quem optou pela tributação regressiva e quer sair do fundo, vale a pena resgatar tudo de uma vez ou é melhor esperar até o momento em que o Imposto de Renda cair para a menor alíquota, que é de 10%?

JS: Depende de quanto tempo a pessoa teria que aguardar até a chegada da alíquota de 10%. Às vezes não vale a pena o tempo de espera. Se já estiver perto dos 10%, vale a pena esperar. Caso contrário, não.

SC: Existe a possibilidade de você parar de fazer aportes e depois fazer um aporte grande quando chega perto da data de saída, para manter um benefício de renda vitalícia?

JS: Não. A ideia da previdência privada não é essa. É preciso fazer uma contribuição contínua. Não adianta no final querer fazer um aporte grande para ter um benefício vitalício. Isso você não consegue. Os contratos não permitem isso.

SC: Nos casos em que a pessoa pode descontar parte dos aportes no Imposto de Renda, o plano não vale a pena?

JS: Esse é um benefício fiscal que lá na frente você vai ter que pagar na hora de fazer o saque do seu benefício.

SC: Tem também planos que dão renda vitalícia. Esses valem a pena?

JS: O plano de renda vitalícia é muito parecido com o de saque. Eles fazem uma conta atuarial e no final você pode optar por ter o dinheiro de uma vez ou ter uma renda vitalícia com base na expectativa de vida.

Agora, se vale a pena ou não, depende. Se você não tem disciplina, vale muito a pena. Para você garantir a sua aposentadoria. Se você tem, você consegue essa mesma renda vitalícia, na verdade melhor, fazendo investimento direto em títulos do Tesouro.

SC: E quanto a usar títulos privados na sua carteira de aposentadoria, qual é a sua opinião?

JS: Eles são bons porque você faz uma diversificação. O caso é que você vai sofisticando mais para um investidor que, além da disciplina, tem que buscar conhecimento para saber aplicar bem em uma carteira diversificada. Mas quanto mais diversificada for, melhor.

Então, se você conseguir fazer investimentos em títulos públicos e privados por 20 anos ou 30 anos, é espetacular.

—–

Essa foi a entrevista com o professor Joelson Sampaio. Para acompanhar conteúdos como este, acesse:

– Este blog no Estadão, toda terça-feira

– O blog Dinheiro pra Viver e meu canal no Youtube.

Um abraço e até a próxima