Crise reforça importância do treinamento
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Crise reforça importância do treinamento

A intensidade e a frequência da realização de capacitação e reciclagem da equipe pode ser determinante para uma franqueadora crescer

CRIS OLIVETTE

13 Setembro 2015 | 07h47

Marcelo Sinelli, consultor do Sebrae-SP

Marcelo Sinelli, consultor do Sebrae-SP

“Um dos motivos que levam uma pessoa a comprar uma franquia é que, teoricamente, a marca dará ao fraqueado todo o suporte, como ajuda na escolha do ponto, material promocional e treinamento, que é fundamental, ainda mais neste momento de crise”, diz o consultor do Sebrae-SP Marcelo Sinelli.


Segundo ele, quando há retração na economia é ainda mais importante ter funcionários bem treinados e capacitados, que saibam converter a pessoa que está só olhando um produto em um cliente ou que prestem um bom serviço para reter o cliente. “Na franquia, esse treinamento vem de cima e é repassado aos franqueados e funcionários, pois a proposta do formato é manter a padronização dos processos.

Assim, a chance de ter uma equipe homogênea, preparada e bem treinada aumenta bastante, e isso é bom para a saúde do negócio”, ressalta.
A assistente de treinamento da Não + Pêlo Isabela Moreira afirma que a marca considera o bom atendimento como fator determinante para o sucesso do negócio.

Isabela Moreira, assistente de treinamento da Não + Pêlo

Isabela Moreira, assistente de treinamento da Não + Pêlo

 

“Nosso treinamento abrange tanto o conhecimento técnico da área, como por exemplo a anatomia dos pelos e da pele, como os mecanismos de ação da máquina, os cuidados no pré e pós tratamento, além da parte comercial e de atendimento. Esse conjunto de ações garante os diferenciais da nossa franqueadora.”

Isabela acrescenta que o franqueado recebe diariamente, por meio de uma ferramenta interna, várias opções de canais para mantê-lo atualizado, além de vídeos de treinamento de equipe. “Mas ele pode refazer o treinamento presencial sempre que achar necessário.”

Com investimento a partir de R$ 135 mil é possível se tornar um franqueado. O retorno ocorre entre 12 e 24 meses. “Vemos que os franqueados de sucesso são os que participam do dia a dia da unidade”, afirma.

Para enfatizar a importância do treinamento, o consultor do Sebrae lembra, ainda, que nosso País vive uma escassez de mão de obra qualificada, por isso, o investimento em treinamento não deve ser cortado mesmo em período de crise.

“Outra coisa importante, que os empreendedores devem saber, é que as crises são cíclicas. Estamos no fundo do poço em 2015, e 2016 não vai ser muito diferente, mas em 2017 a economia deve decolar e quem estiver preparado, com equipe bem treinada e alinhada vai sair na frente”, diz Sinelli.

O dono da franqueadora Outer Shoes, Breno Bulus, afirma que se encarrega pessoalmente de aplicar o treinamento sobre o conceito da marca e de vendas aos 223 colaboradores das 21 lojas da rede, que atendem cerca de 15 mil clientes por mês.

Breno Bulus, fundador da Outer Shoes

Breno Bulus, fundador da Outer Shoes

 

“Acho que não existe uma loja de calçados e acessórios no Brasil que ofereça um produto como o nosso e que tenha a mesma preocupação de analisar minuciosamente se o franqueado terá sucesso com a abertura da loja em sua localidade.”

Além de treinar as equipes e conhecer vendedor por vendedor de todas as unidades, Bulus também participa ativamente da criação de todos os modelos.
“Investimos em treinamento para manter a equipe motivada. Sabemos da crise e conversamos sobre ela diariamente, sempre com o objetivo de buscar alternativas para cada vez mais atender bem o cliente, para que ele compre e volte a comprar conosco.

Acho que o segredo de manter crescimento médio de 13% ao mês é a equipe afiada”, diz o franqueado da Outer Shoes Eurivan Lima. Para abrir uma franquia da marca o investimento total é de R$ 330 mil. O retorno ocorre em 24 meses.

Na franqueadora Lu Make Up, que oferece serviços de design e estética de maquiagem, o treinamento também é considerado fundamental. “A marca ocupa um lugar respeitado no mercado pela qualidade dos serviços prestados e é isso o que os franqueados devem manter”, diz o diretor de novos negócios, Bruno Abdo.

Ele diz que o treinamento inicial requer dedicação total e dura um mês. “Não é algo simples e fácil. A dedicação durante o processo de treinamento já é um critério de seleção do franqueado.” Depois de iniciada a operação, a franqueadora passa a fazer monitoramento contínuo e oferece cursos de reciclagem para o aperfeiçoamento continuo dos franqueados.

Abdu conta que a marca está sendo implantando um sistema que centraliza os agendamentos. “O mesmo sistema permite monitorar todos os procedimentos. Cada franqueado tem de postar fotos de antes e depois de cada procedimento. Assim, podemos monitorar a atuação de cada profissional.”

O diretor afirma que outra forma de monitorar a satisfação do cliente utilizando a mesma ferramenta é por meio do pós-venda. “Assim, podemos avaliar a satisfação dos clientes. Se recebermos reclamação de algum profissional, ele será convocado para um treinamento de reciclagem.”

Segundo ele, a marca não vende unidades para investidores, apenas para quem vai ficar à frente da operação. O capital necessário para se tornar um franqueado é de R$ 40 mil.

13.9 roberto saretta flipwash 2

Marca acompanha capacitação de franqueada por dez semanas

Depois de criar negócios de lava-rápido a seco e vendê-los quando as operações já estavam consolidadas, Roberto Saretta lançou mão de sua experiência de 12 anos na área para fundar outro negócio no mesmo segmento. “A Flip Wash entrou em operação em 2013 com uma abordagem totalmente diferente, tanto no que diz respeito ao layout das lojas quanto ao processo de lavagem e de treinamento dos franqueados.”

Saretta desenvolveu um método de lavagem a seco de veículos exclusivo, que é realizado por meio de pressurização. “O serviço fica pronto em 18 minutos”, diz ele.
“Como os funcionários se desgastam muito menos, a produtividade é cerca de 30% maior do que a dos concorrentes, além de requerer equipes menores”, afirma.

O empresário afirma que no novo negócio ampliou consideravelmente o tempo de treinamento dos franqueados e suas equipes. “O treinamento prático é de cinco dias, mas depois fazemos acompanhamento semanal durante dez semanas. Assim, ficamos muito próximos dos franqueados e funcionários, o que garante o nível de produtividade.”

Hábito. Saretta diz que nesse período de dez semanas, o treinamento enfatiza cinco aspectos da operação: gestão da qualidade, marketing, gestão financeira, operacional, e gestão de metas. Nas cinco semanas seguintes, os temas são repetidos.
“Vimos, por meio de estudos, que demora cerca de 60 dias para a pessoa incorporar novo hábito, por isso criamos esse sistema de capacitação”, argumenta o empreendedor.

Ele conta que as lojas da Flip Wash têm design e atendimento diferenciado, por esse motivo, 70% da clientela é formado por mulheres. “Sempre temos mulheres no setor operacional e de atendimento ao cliente. Assim, as mulheres se sentem mais à vontade. Também damos atenção especial às fragrâncias aplicadas nos veículos, borrifamos Trusso e Oklen em substituição ao tradicional aroma de eucalipto.”

Atendimento ao cliente, aliás, é outra preocupação da marca. “Nossos franqueados e funcionários são muito bem treinados neste aspecto. Queremos oferecer o mesmo profissionalismo do mercado de alimentação.”

Intranet e WhatsApp são ferramentas adotadas pela Flip Wash para manter contato com os franqueados. “Postamos semanalmente conteúdos em vídeo que chamamos de ‘pílulas de sabedoria’ para que o franqueado se sinta próximo a nós e se mantenha atualizado em relação a todos os processos que envolvem a marca.”

Para ser um franqueado o investimento fica entre R$ 20 mil e R$ 100 mil, dependendo do tamanho da operação. O retorno ocorre entre 12 e 24 meses. A marca tem 18 unidades.