As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Empresa de maquiagem orgânica busca mercado externo

Empresária afirma que sucesso de marca nacional de maquiagem orgânica a levou a abrir loja na Alemanha e a negociar expansão internacional

CRIS OLIVETTE

01 Abril 2018 | 08h14

Luisa Baims Albrecht, fundadora da marca Baims. Foto: Rafael David Armano/Divulgação

Os negócios de cosméticos orgânicos e veganos nem sempre são inspirados por posturas filosóficas ou ideológicas. No caso de Luisa Baims Albrecht foi a curiosidade que a aproximou desse mercado, enquanto a necessidade levou Soraia Zonta a empreender.

No ano 2000, Luisa casou-se com um alemão e foi morar em Frankfurt, deixando para trás a carreira de diretora de produção de filmes publicitários e de produtora executiva de TV. Ela conta que, em 2008, a oferta de alimentos e cosméticos orgânicos já estava presente em qualquer supermercado ou drogaria convencional da Alemanha. Resolveu, então, experimentar alguns produtos.

“Fiquei maravilhada com a qualidade e com os resultados. Além disso, quanto mais eu lia sobre o assunto, mais encantada ficava com a proposta de sustentabilidade que acompanha esses produtos.” A atração foi tamanha que em 2015 criou sua marca, a Baims. No ano seguinte, ela chegou ao mercado.

‘Linha totalmente vegana’

“Desenvolvi uma linha de maquiagem totalmente vegana e certificada pela The Vegan Society, e que também é orgânica e certificada pela Ecocert e Cruelty Free. Essas certificações garantem ao consumidor o produto que está adquirindo.”

Segundo ela, obter essas certificações não é tarefa simples. “A Ecocert rastreia toda a cadeia de produção desde a plantação e colheita dos ingredientes, passa pelas fórmulas, fabricação, industrialização e por último, as embalagens, rótulos, etc. Tudo deve estar de acordo com os seus critérios sustentáveis. Depois de obter o certificado, toda a cadeia passa por auditoria anual. É um processo demorado, porque é muito meticuloso.”

Quanto ao certificado da The Vegan Society, Luisa diz que eles também analisam detalhadamente todos os ingrediente das fórmulas. “Até nos pediram a certificação de um fornecedor para ter garantia de que não usam macacos para colher os cocos. Não sabíamos, mas existe empresa que explora o trabalho animal para tal.”

Ela conta que o negócio foi criado com recursos próprios e possui, hoje, oito funcionários diretos e vários serviços terceirizados. “Crescemos, aproximadamente, 50% ao ano.”

Operação na Alemanha

Luisa diz que uma unidade da Baims entrou em operação na Alemanha, em fevereiro deste ano. A empresária tem como sócio Bernd Albrecht, seu marido. “Ele é responsável por todo o planejamento financeiro do negócio e cuida da expansão internacional”, conta. Luisa continua morando em Frankfurt, de onde coordena o negócio no Brasil. “Tenho um time maravilhoso que torce muito pela marca.”

Segundo ela, a unidade na Alemanha foi consequência do sucesso obtido no Brasil. “Agora, estamos em negociações com vários pontos de venda aqui e em outros países da Europa e nos Estados Unidos.”

A empresária diz que mesmo no país onde vive não existe uma marca com um conceito sustentável tão completo quanto o da Baims. “Nossas embalagens são feitas de bambu, que é um material sustentável. Aqui, marcas sustentáveis ainda usam embalagens de plástico.”

‘Forte tendência’

Luisa afirma que o interesse do consumidor brasileiro “não é apenas moda, é uma forte tendência”. Segundo ela, grande parte das vendas de seus produtos no Brasil é online. “Mas estamos com três pontos de venda próprios – dois em São Paulo e um no Rio de Janeiro. Também temos planos de expandir o negócio por meio de franquia.”

Questão de pele. “A busca por uma beleza mais saudável surgiu devido a um problema de pele, ocasionado por toxinas de cosméticos convencionais, como filtros solares químicos e maquiagens sintéticas”, conta Soraia Zonta.

Por não encontrar uma solução adequada às suas necessidades, ela criou, em 2010, sua própria marca, a , que em 2010 fundou a Bioart Biocosméticos. “Somos pioneiros no Brasil no desenvolvimento de produtos a base de argila especial e bioativos selecionados. Temos maquiagens e linhas de tratamentos bionutritivos com elementos naturais, orgânicos, saudáveis e veganos.”

Segundo ela, a marca possui fábrica própria e segue princípios sustentáveis. “Temos a certificação Ecocert, que garante a qualidade e o acompanhamento de cada passo da seleção dos bioativos e do processo de produção. Nossa produção é 100% vegana e incentivamos o consumo consciente.”