CPMF: não há pressa para novas medidas, diz Fazenda

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, deve se reunir hoje pela manhã com seus secretários para avaliar as conseqüências da derrota de ontem no Senado Federal, com a rejeição da emenda constitucional que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011. Segundo assessores do Ministério, não haverá pressa ou precipitação na divulgação das medidas que serão tomadas para compensar a perda de arrecadação dos R$ 40 bilhões. "Vamos parar para pensar", disse um assessor do ministro. Mantega acompanhou parte da votação no Senado do gabinete do ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, no Palácio do Planalto, e ainda não chegou ao prédio da Fazenda. Ele dará uma entrevista hoje para comentar o resultado de ontem no Senado e falar sobre as novas diretrizes.

ADRIANA FERNANDES, Agencia Estado

14 Dezembro 2007 | 07h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.