12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

'Desastroso', diz consultoria sobre o IPCA de 2013

10 de janeiro de 2014 | 12h 13
GABRIELA LARA - Agencia Estado

SÃO PAULO - A economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria Integrada, classificou o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2013, de 5,91%, como "desastroso", levando em conta o esforço de desonerações feito pelo governo para controlar a alta de preços administrados como o da energia elétrica. "Não tem nada para comemorar. É muito ruim, em um ano no qual o governo fez de tudo e tomou medidas que custaram caro", disse.

Ela lembrou que os preços administrados fecharam 2013 com alta de apenas 1,5%, influenciados principalmente pela redução do preço da energia elétrica, de cerca de 20%, pela ausência de aumento nas tarifas de transporte público em muitas cidades e também pelo controle de preços da gasolina, que ainda estão defasados com relação ao mercado internacional. Os preços administrados terminaram o ano passado em alta de 1,5%, enquanto os preços livres subiram 7,3%. "Só que nos próximos meses a inflação mais baixa dos preços administrados será em parte revertida. A gente projeta avanço de 4,3% para os administradas em 2014, e isso terá repercussão no IPCA", explicou.

A economista também chamou a atenção para a piora dos núcleos do IPCA em dezembro com relação a novembro. "Limpando os itens mais voláteis e as pressões atípicas, os núcleos apontam uma inflação subjacente de 0,70% em dezembro, que é bastante alta", afirmou. Anualizada, esta inflação apontada pelos núcleos ficaria em 8,7%. "Isso assusta e só mostra que em 2014 o quadro seguirá muito apertado no que diz respeito à inflação."

Segundo Alessandra, esse cenário reforça a expectativa de que o ano que se inicia será de inflação alta, na casa dos 6%, com risco de estouro do teto de 6,5% da meta buscada pelo Banco Central. "Nessa previsão de 6% existe pouco espaço para a acomodação de choques. Se o ano tiver qualquer choque de câmbio ou de alimentos, há risco de a inflação ficar muito próxima do teto ou passar do teto."



Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo