12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Mantega: 2014 pode ser ano da virada da economia global

18 de dezembro de 2013 | 13h 50
LAÍS ALEGRETTI, CELIA FROUFE E JOÃO VILLAVERDE - Agencia Estado

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira, 18, durante café da manhã com a imprensa que o ano de 2013 foi "difícil e de grandes desafios", como o de recuperar o crescimento. Ele destacou a necessidade de reduzir a pressão inflacionária, que começou forte, além de implementar as concessões de infraestrutura e ampliar o volume de investimentos. Ele prevê crescimento de 2,5% neste ano.

O ministro considera que o Brasil foi afetado pelo ambiente internacional, e prevê que o PIB mundial crescerá menos de 3%, podendo ficar entre 2,7% ou 2,8%. "A boa notícia é que estamos num ano de virada. O ano de 2013 foi o fundo do poço para economia internacional, talvez o último ano da crise que começou em 2008", disse.

Ele também destacou as dificuldades em relação à confiança, a despeito de o Brasil ser uma dos maiores mercados consumidores do mundo, o que faz com que o País seja respeitado. "Houve setores que apresentaram certo mau humor com o Brasil, mas acho que houve exageros em relação a isso", avaliou, comentando o resultado do investimento estrangeiro direto (IED) de US$ 60,8 bilhões de janeiro a novembro. "O pessoal não vem aqui investir à toa."

Parte do mau humor internacional com o Brasil se deveu, de acordo com o ministro, a perdas que alguns investidores tiveram ao apostar em arbitragens. "Nós baixamos os juros em 2012, reduzindo a rentabilidade da arbitragem. Também trabalhamos para desvalorizar o real em mais de 10% em 2012 e geralmente quem faz essa operação (arbitragem) não deve ter gostado", avaliou.

Mantega citou que os spreads caíram e não voltaram, mudanças no setor elétrico e a retirada do IOF como itens que também poderiam ter causado mau humor. "Eu diria que temos a confiança de que mais importa, do investidor estrangeiro direto, que é aqueles que quer as condições fortes da economia brasileira."

Juros e inflação

Mantega disse ainda que a trajetória das taxas de juros no Brasil é descendente, independentemente de flutuações de curto prazo que, segundo ele, são normais. "Quando se projeta o longo prazo, se projeta uma taxa menor", afirmou. Sobre o IPCA, índice de inflação oficial, ele prevê que será menor em 2013 do que a variação de 5,84% obtida em 2012, apesar da pressão maior dos alimentos.



Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão






Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo