12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Renegociação forma 80% de dívida de estados, diz relator

11 de dezembro de 2013 | 11h 24
RICARDO BRITO - Agencia Estado

BRASÍLIA - O senador Luiz Henrique (PMDB-SC) disse, nesta quarta-feira, 11, que, em 19 Estados, 80% da dívida com a União decorre da renegociação dos contratos dos débitos feitos a partir do final da década de 90. Relator do projeto que altera o indexador, em discussão no momento em duas comissões do Senado, Luiz Henrique citou os exemplos de três Estados para defender a mudança do indexador.

Segundo o relator, a dívida do Estado de São Paulo foi renegociada em 1997 e, na ocasião, estava em R$ 46,5 bilhões. Até 31 de dezembro de 2012, segundo ele, o Estado pagou R$ 78,3 bilhões, mas devia ainda, ao final do ano passado, R$ 184,2 bilhões. Ele citou o exemplo de Minas Gerais, que renegociou sua dívida com a União no mesmo ano de São Paulo. Era de R$ 14,85 bilhões. Até o final do ano passado, Minas tinha pago R$ 25,94 bilhões, mas ainda tinha a pagar R$ 63,47 bilhões.

A situação do Rio Grande do Sul, segundo o relator, é a pior em termos numéricos. O Estado renegociou a dívida em 1998, que era de R$ 9,2 bilhões. O Estado já desembolsou para pagá-la R$ 19,3 bilhões, mas ainda deve R$ 41,8 bilhões.

No parecer, Luiz Henrique não faz alterações à proposta aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados no final de outubro. O projeto mantém a mudança do indexador atual das dívidas dos entes federados com a União, que hoje é IGP-DI mais 6% a 9% de taxa de juros ao ano, por um dos dois fatores de correção que for menor: IPCA mais 4% ou a taxa Selic - atualmente fixada em 10%.

A proposta troca o indexador para o passivo da dívida e também para o que já foi pago desde a renegociação dos contratos ocorridos a partir do final da década de 1990. Na prática, garante um desconto no bilionário estoque das dívidas. "Os Estados pagaram, pagaram, pagaram, os municípios pagaram, pagaram, pagaram, e suas dívidas não reduziram nem mesmo em termos sofríveis", afirmou o relator.



Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão






Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo