12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Tombini reitera que BC atuará no mercado cambial em 2014

10 de dezembro de 2013 | 13h 04
EDUARDO CUCOLO E CÉLIA FROUFE - Agencia Estado

BRASÍLIA - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, voltou a afirmar, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, que o banco continuará atuando no mercado de câmbio em 2014. Segundo ele, as autoridades nacionais podem agir no sentido de mitigar os efeitos da volatilidade no mercado internacional sobre os mercados financeiros domésticos, o que o BC vem fazendo, oferecendo proteção, hedge cambial, aos agentes econômicos e liquidez ao mercado de câmbio. "Em 2014 o Banco Central não sairá de cena nesse mercado", disse.

"Aproveito aqui a oportunidade para informar mais uma vez que, com alguns ajustes, o Banco Central estenderá o programa de oferta de proteção cambial", completou, destacando que isto ocorrerá sem prejuízo ao regime de flutuação. "A política do Banco Central em relação ao câmbio é de flutuação", afirmou.

Segundo Tombini, nos últimos 24 meses houve cerca 20% de depreciação nominal do real em relação ao dólar e que isso "certamente" auxiliou o balanço do Banco Central. "Houve valorização grande do ativo e isso gera capacidade para o País atuar no sentido de prover proteção cambial para o restante da economia , não só o BC está protegido para proteções abruptas no câmbio, mas a economia", considerou.

Inflação

O presidente do Banco Central previu que os preços administrados devem evoluir em linha com a meta de inflação, de 4,5%. "Nossa visão dos preços administrados em 2014 é de em torno de 4,5%, maior certamente do que foi este ano", comparou. Tombini salientou que houve surpresas negativas no ano passado na área de administrados e que esse conjunto de preços é importante, mas representa 25% da cesta dos índices de preços aos consumidores.

Ao responder a um questionamento do senador Francisco Dornelles (PP-RJ) sobre se a inflação estaria artificial este ano por conta de o governo ter segurado o aumento de alguns preços, como o de combustíveis, Tombini disse que não via uma "inflação artificial" no País. Segundo ele, não há subsídios ao preço dos derivados de combustíveis nas bombas e os preços não estão desalinhados com outras economias.



Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão






Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo