Palmeiras já de olho nas oitavas

Meta é vencer o Central, em Caruaru, por 2 gols de diferença

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

02 Abril 2008 | 00h00

O Central ainda é um desconhecido do Palmeiras, apesar de o treinador Vanderlei Luxemburgo já ter passado um vídeo com os melhores momentos do adversário aos seus atletas. É um time que vai ser respeitado - pelo menos no discurso adotado pelo elenco. Os jogadores, porém, não negam: querem ver o time pernambucano apenas uma vez este ano, hoje à noite. Por isso, o objetivo é vencer o jogo das 21h45, em Caruaru, por mais de dois gols de diferença e, assim, eliminar a partida de volta da segunda fase da Copa do Brasil, dia 9. Acesse e acompanhe online O Palmeiras viajou na noite de segunda-feira para o Recife, treinou ontem na capital pernambucana e apenas hoje vai para o local do jogo. O Estádio Luiz Lacerda não é dos melhores e a condição do gramado preocupa os jogadores. Eles, no entanto, preferem falar apenas da ótima fase do time - 8 triunfos consecutivos em 12 partidas de invencibilidade. Fase que começou a ficar boa justamente com a Copa do Brasil - 1 a 0 sobre o Cene-MS, no dia 27 de fevereiro. Desde então, o Palmeiras não perdeu um ponto sequer. Naquele jogo, Kléber estreava na equipe alviverde. Hoje, ele volta a fazer parte do time titular entre os titulares - no Campeonato Paulista ainda tem de cumprir um jogo dos três que recebeu de suspensão, o que fará domingo, contra o Barueri. Kléber é a esperança de gols palmeirense. Eliminar o jogo de volta contra o Central é bom negócio, pois, assim, a equipe poderá voltar todas suas forças para o Estadual, competição em que já está classificada para as semifinais. O Palmeiras vai jogar com força total e pretende partir para o ataque desde o início. O chileno Valdivia está confiante. "Temos de matar o jogo", pede o Mago. "A gente conhece o Marcelo Vilar (técnico adversário, que já treinou o Palmeiras em 2006) e eles esperam muito por esse confronto." O craque da equipe está otimista, mas prega respeito ao Central. E recomenda atenção aos companheiros. "Futebol é momento. Eles podem ter uma bola parada, fazer o gol e complicar a tarefa do Palmeiras." Um tropeço hoje é inadmissível nos planos palmeirenses. Luxemburgo não se cansa de dizer que o grupo ainda não conquistou nada e que todos devem manter os pés no chão. Obedientes, os jogadores seguem o discurso. "Projetamos títulos", disse Valdivia. "Não adianta ganhar 10 jogos seguidos se no fim o título não vier." LUSA PRECISA VENCER A Portuguesa terá de fazer pelo menos um gol contra o Volta Redonda, às 20h30, no Estádio do Canindé, para atingir a terceira fase da Copa do Brasil. Na primeira partida, empate por 0 a 0, no Rio. Em caso de nova igualdade pelo mesmo placar, hoje, a disputa vai para os pênaltis. Se houver empate com gols, o time do interior do Rio de Janeiro fica com a vaga. O técnico Vágner Benazzi tem problemas para escalar a Lusa, principalmente, no ataque: o centroavante Christian foi expulso no jogo de ida. O volante Claudecir, o meia Preto e o atacante Diogo também não jogam, todos machucados. Com isso, o veterano lateral-direito Zé Maria pode começar a partida. COLABOROU GIULIANDER CARPES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.