12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Taxa de desemprego recua para 4,6% em novembro

Desemprego atingiu a menor taxa da série histórica do IBGE; rendimento médio real dos trabalhadores teve alta de 2%

19 de dezembro de 2013 | 9h 01
Daniela Amorim, da Agência Estado - Atualizado às 10h10

RIO - A taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em 4,6% em novembro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado aponta para o menor desemprego da série histórica do IBGE, iniciada em 2002. O mesmo porcentual só foi verificado em dezembro de 2012.

Em outubro, a taxa havia sido de 5,2%. O resultado veio abaixo do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado (de 4,7% a 5,1%), com mediana de 4,9%.

A redução na taxa de desemprego foi causada pela migração de indivíduos para a inatividade, e não pela geração de postos de trabalho, apontou a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE.

"O que a gente vê aqui é a redução da desocupação em função do aumento da inatividade. Então não houve aumento do número de postos de trabalho. O que houve foi aumento das pessoas que passaram para a inatividade", ressaltou o gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

Em novembro, houve aumento significativo na população não economicamente ativa. Na comparação com outubro, o aumento foi de 0,8%, o equivalente a 148 mil indivíduos. Em relação a novembro de 2012, a alta foi de 4,5%, mais 801 mil pessoas na inatividade.

Segundo Azeredo, parte dos inativos em novembro pode já ter assegurado uma ocupação para dezembro e por isso deixaram de procurar emprego. "Se uma pessoa foi a uma loja, fez inscrição e conseguiu emprego, mas vai começar em dezembro, ela está na inatividade. Ela não está trabalhando ainda, mas não tomou providência para trabalhar porque já estará empregada em dezembro", considerou o gerente do IBGE.

A população desocupada totalizou 1,1 milhão de pessoas em novembro, uma queda de 10,9% em relação a outubro, segundo dados das seis regiões metropolitanas investigadas na pesquisa. O resultado equivale a 139 mil pessoas a menos à procura de emprego. Na comparação com novembro do ano passado, houve redução de 77 mil desocupados, queda de 6,4%.

Em novembro, a população ocupada totalizou 23,3 milhões de pessoas, um aumento de apenas 0,1% em relação a outubro, o equivalente a 14 mil novos empregados. Na comparação com novembro de 2012, houve redução de 170 mil vagas, queda de 0,7%.  O nível da ocupação (proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa) foi estimado em 54,2%, porcentual igual ao verificado em outubro.

  

O desemprego recuou em São Paulo, de 5,6% em outubro para 4,7% em novembro. Nas demais regiões, registrou leve variação, sendo considerado estatisticamente estável.

Ainda regionalmente, o rendimento dos trabalhadores avançou em Recife (4,8%), Rio de Janeiro (4,1%), Porto Alegre (1,8%) e São Paulo (1,5%). Em Salvador houve queda (-2,6%) e em Belo Horizonte ficou estável.

Em relação ao rendimento, trabalhadores por conta própria tiveram o maior aumento na comparação de novembro com outubro, de 3,8%. Em relação a novembro de 2012, o maior avanço ocorreu entre os empregados sem carteira no setor privado (7,2%).

O rendimento médio real dos trabalhadores avançou 2% em novembro ante outubro e 3% na comparação com novembro de 2012. O rendimento médio real dos trabalhadores em novembro foi de R$ 1.965,20, contra R$ 1.927,48 em outubro.

A massa de renda real habitual dos ocupados no País somou R$ 46,2 bilhões em novembro, um aumento de 2% em relação a outubro. Na comparação com novembro de 2012, a massa cresceu 2,3%. A massa de renda real efetiva dos ocupados totalizou também R$ 46,2 bilhões em outubro, uma alta de 2,1% em relação a setembro. Na comparação com outubro de 2012, houve aumento de 2,4% na massa de renda efetiva.

Na análise do número de ocupados por atividade, ocorreu queda em Serviços domésticos (12,2%) e Indústria (3,9%) e estabilidade nos demais grupamentos.





Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo