12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Agronegócio e investimentos despencam e PIB encolhe 0,5% no 3º trimestre

Queda é o pior resultado desde o 1º trimestre de 2009, auge da crise financeira internacional; na comparação com o mesmo período do ano anterior, economia teve alta de 2,2%

03 de dezembro de 2013 | 9h 00
Agência Estado e Economia & Negócios

Atualizado às 11h

SÃO PAULO - O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 0,5% no 3º trimestre deste ano ante os três meses imediatamente anteriores. Pelo lado da oferta, o pior desempenho foi o da agropecuária, que despencou 3,5% devido, principalmente, ao fim da safra de soja, produto que tem peso elevado no cálculo do indicador. Já indústria e serviços ficaram praticamente estáveis, com leve alta de 0,1%.

Já pela ótica da demanda, os investimentos (denominados formação bruta de capital fixo) tiveram forte queda: 2,2%, a maior desde o primeiro trimestre de 2012, quando houve recuo de 2,7%. Enquanto o consumo das famílias teve alta de 1% e o do governo cresceu 1,2%.

A queda de 0,5% é o pior resultado, nessa base de comparação, desde o primeiro trimestre de 2009, auge da crise financeira internacional. Naquela ocasião, houve recuo de 1,6% no PIB, na margem. O resultado também representa a primeira retração desde o primeiro trimestre de 2009, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado mostra ainda uma forte desaceleração ante o resultado do segundo trimestre deste ano, que teve a alta revisada para cima: de 1,5% para 1,8%.

A queda no terceiro trimestre ficou no piso das estimativas dos analistas. Levantamento do serviço AE Projeções, da Agência Estado, com 47 instituições, previa um recuo de 0,50% a uma expansão de 0,20% - com mediana de -0,20%.

Já na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a economia teve alta de 2,2%, sendo puxada pelo setor de serviços, que também teve expansão de 2,2%. Já a indústria teve alta de 1,9% e a agropecuária recuou 1%. Nesta base de comparação, os investimentos tiveram forte alta: 7,3%. Trata-se da terceira expansão seguida, sinalizando uma recuperação em relação ao ano anterior. O IBGE destaca, contudo, que houve uma desaceleração ante o resultado do segundo trimestre, quando a alta foi de 9,1%.

Na mesma base de comparação, os consumos das famílias e do governo cresceram, ambos, 2,3%. Em valores correntes, o PIB do terceiro trimestre somou R$ 1,2 trilhão.

O PIB de 2012 ante 2011 foi revisado pelo IBGE de 0,9% para 1%. O resultado ficou abaixo do anunciado pela presidente Dilma Rousseff na semana passada, durante entrevista. A presidente disse que o crescimento do ano passado tinha sido revisado de 0,9% para 1,5%.

Este ano, foram incorporadas no PIB as revisões de pesquisas usadas no cálculo do indicador, mas também a nova Pesquisa Mensal de Serviços, que começou a ser divulgada pelo instituto recentemente e motivou especulações sobre uma revisão do crescimento do País para cima. No entanto, as revisões definitivas, feitas a partir da incorporação das Contas Nacionais Anuais, só serão realizadas quando o trabalho de mudança na metodologia de cálculo do PIB estiver concluído, o que está previsto para o fim de 2014 ou início de 2015.

Agropecuária. Apesar de ser a atividade que mais cresce no ano, a agropecuária foi prejudicada no terceiro trimestre por projeções de queda em safras importantes para o período. Segundo o IBGE, o desempenho das produções de laranja (-14,2%), mandioca (-11,3%) e café (-6,9%) serão piores do que no ano passado.

Para o analista técnico e econômico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Robson Mafioletti, o recuo do PIB da agropecuária também está relacionado aos preços mais baixos de soja, milho e café. "Os preços da soja ainda estão bons, mas no ano passado estavam melhores. Já os do milho estão ruins e o café vive uma de suas piores crises", disse ele ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Apesar da queda, a agropecuária fechará o ano com um PIB positivo, projetou Mafioletti. "Não vai piorar. Vai ser um dos melhores dos últimos anos. Temos problemas pontuais mas, no geral, estamos bem." De acordo com o IBGE, no acumulado de 2013 o PIB da agropecuária registra avanço de 8,1%, o mais forte entre todos os setores. A indústria acumula alta de apenas 1,2% e serviços sobem 2,1%.

Comércio exterior. As exportações, segundo o IBGE, caíram 1,4% no terceiro trimestre em relação aos três meses imediatamente anteriores. Ante o mesmo período do ano anterior, as vendas externas subiram 3,1%. Já as importações diminuíram 0,1% na comparação com o segundo trimestre do ano. Em relação ao mesmo período de 2012, houve alta de 13,7%, a maior desde o segundo trimestre de 2011, quando houve crescimento de 14,8%.

A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada para a elaboração da balança comercial. No PIB, entram bens e serviços, e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram somente bens, e o registro é feito em valores, com grande influência dos preços.

Na comparação internacional, o Brasil teve o menor PIB entre as maiores economias do mundo.

Como o PIB é calculado? O PIB é o indicador mais usado para medir o tamanho da economia de um país. É o total de riquezas produzidas ao longo de um dado período. Ou, na definição do IBGE, que cuida do cálculo: são os 'bens e serviços produzidos no país descontadas as despesas com os insumos utilizados no processo de produção durante o ano. É a medida do total do valor adicionado bruto gerado por todas as atividades econômicas'.

Para chegar ao valor do PIB, o IBGE, computa o desempenho dos três setores da economia - agropecuária, indústria e serviços. Ao mesmo tempo, acompanha os componentes da demanda: o consumo das famílias e o do governo; exportações; importações (cujo impacto tem sinal negativo); e, finalmente, a formação bruta de capital fixo, que é justamente a conta de investimentos do PIB.

A conta do IBGE, órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, é feita a partir das pesquisas setoriais que ele próprio realiza ao longo do ano e também de dados complementares fornecidos pelo Banco Central, Ministério da Fazenda e Agência Nacional de Telecomunicações, entre outras fontes.





Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo