Médicos na Caxemira usam sanguessugas em pacientes

Terapia é utilizada para tratar doentes cardíacos ou com artrite, gota e sinusite.

Altaf Hussain, BBC

04 Abril 2008 | 18h30

Médicos de três hospitais da região da Caxemira, na Índia, estão utilizando sanguessugas para tratar pacientes com problemas cardíacos e outras condições como artrite, gota, dor de cabeça crônica e sinusite. O tratamento, em que o animal suga o sangue dos pacientes, é geralmente procurado por pessoas que não foram curadas com a medicina convencional. O médico Nasir Ahmed Hakeem, diretor dos três hospitais que adotaram a prática, diz ter usado sanguessugas para tratar pelo menos 200 pacientes somente no ano passado. Hakeem afirma que a saliva das sanguessugas que entra no corpo do paciente no momento da sucção contém mais de 100 substâncias bioativas. De acordo com o médico, os animais são "uma fábrica de medicamentos que produz diversas enzimas". Depois de ser usado no paciente, o animal é morto para evitar a transmissão das infecções. Pacientes As sanguessugas eram amplamente utilizadas na medicina até o final do século 19. Na Índia, o tratamento com os animais segue o sistema de medicina Unani, que se originou na Grécia antiga e é reconhecido pelas autoridades de saúde indianas. Apesar de permitida, a prática não é ensinada nas escolas de medicina Unani e, por essa razão, Hakeem contratou especialistas tradicionais para aplicar as sanguessugas na pele dos pacientes. Na cidade de Sopore, o paciente Abdul Razk Mir disse que está esperançoso com relação ao tratamento. Há duas décadas, ele sofre de dor de cabeça crônica. "A medicina alopática não conseguiu me curar", afirmou. "Espero que a terapia com as sanguessugas me ajude." Ghulam Hassan, que sofre de problemas ortopédicos, já iniciou o tratamento, mas ainda não sentiu os benefícios. "Tentei a medicina convencional e a fisioterapia, mas nada adiantou", conta. "Agora, estou tentando as sanguessugas, talvez minha dor vá embora, mas ainda é muito cedo para dizer." Críticas A adoção do tratamento nos hospitais foi criticada pela comunidade médica convencional. Mas Hakeem afirma que entre os pacientes que já tratou estão médicos alopáticos que se convenceram com as pesquisas sobre os benefícios do tratamento. O médico cita o uso de larvas de mosca na medicina convencional para tratar pacientes diabéticos que desenvolvem problemas no pé. De acordo com um ex-diretor do Instituto de Ciências Médicas da Caxemira, Abdul Waheed Banday, há um interesse renovado sobre a terapia com sanguessugas no Ocidente. Banday diz que, apesar do tratamento ser barato e acessível aos mais pobres, não espera ver a terapia ser usada em hospitais alopáticos no futuro. "Novas pesquisas sobre a terapia sanguessuga estão em andamento, mas, por enquanto, ainda não há um caso forte que sustente seu uso", afirmou. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.