Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

10,5 milhões de brasileiros trabalham na produção de bens para o próprio consumo

O montante equivale a 6,3% de toda a população de 166,7 milhões de pessoas em idade de trabalhar, ou seja, com 14 anos ou mais de idade

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2017 | 10h15

RIO - Em 2016, o País tinha 10,5 milhões de brasileiros trabalhando na produção de bens para consumo próprio. O montante equivale a 6,3% de toda a população de 166,7 milhões de pessoas em idade de trabalhar, ou seja, com 14 anos ou mais de idade. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Outras Formas de Trabalho, referente a 2016.

+ Cientistas brasileiros criam fruta cítrica para concorrer com laranja

Entre os que realizaram algum tipo de trabalho na produção de bens para uso exclusivo de moradores do domicílio ou de parentes, 77,6% declararam atuar no cultivo agrícola, pesca, caça ou criação de animais. Outras formas de trabalho pesquisadas foram a produção de carvão, corte ou coleta e lenha, palha ou outro material (com 17,3% de adesão), fabricação de calçados, roupas, móveis, cerâmicas, alimentos ou outros produtos (11,6%), e construção de prédio, cômodo, poço ou outras obras de construção (7,0%).

Os homens eram maioria na produção para o próprio consumo, mas com apenas ligeira vantagem entre as mulheres, 51,9% ou 5,5 milhões de pessoas.

+ Inovação recupera terras para plantio

Os mais velhos eram mais ativos nesse tipo de produção: 46,1% tinham 50 anos ou mais, enquanto 42,7% tinham idade entre 25 a 49 anos. Apenas 11,2% desses trabalhadores tinham de 14 a 24 anos.

Quase metade das pessoas que produziam para o próprio consumo (48,8%) estava também empregada no mercado de trabalho. Entre os homens, essa proporção alcançava 61,7%, contra 35,0% das mulheres. O porcentual de pessoas ocupadas na produção para o próprio consumo foi majoritário nas Regiões Norte (59,6%), Sul (57,3%) e Centro-Oeste (52,9%).

Mais conteúdo sobre:
Caça trabalho pesca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.