1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A administração pública sustentável precisa querer desafiar a opinião pública, diz pensador

- Atualizado: 24 Março 2016 | 08h 40

Rohit T. Aggarwala, especialista em sustentabilidade, afirma que as cidades não devem ser um poder secundário à União

A boa gestão de uma cidade pode ser medida pela qualidade dos espaços públicos utilizados de forma coletiva pela população. Conforme explica o membro do time construtor do Google Sidewalk Labs, startup que desenvolve e apoia novas tecnologias para melhorar a qualidade de vida nas cidades, Rohit T. Aggarwala, o que faz um espaço urbano ser eficiente é o fato de as pessoas compartilharem as coisas. 

"Tudo isso torna os habitantes das cidades mais eficientes. É nas áreas compartilhadas que é possível ver a qualidade de uma cidade", pontua o especialista. "Quando se tem uma cidade mal administrada, as pessoas ricas ficam isoladas por paredes e nos subúrbios. Isso indica que a área privada é boa e a área compartilhada não é", analisa Aggarwala.

Para o estudioso, o administrador ideal de uma cidade deve estar atento a essa configuração urbana. "Uma administração pública sustentável deve ser consciente e atenta ao que o público precisa e deseja. Mas também precisa querer desafiar a opinião pública", avalia. "É preciso ter um prefeito que esteja aberto a novas ideias, mas também tenha uma boa percepção de suas prioridades. Isso é o que atrai uma boa equipe."

A entrevista foi gravada durante o Lemann Dialogue, uma conferência que reúne alunos bolsistas da Fundação Lemann das Universidades de Columbia, Harvard, Illinois e Stanford.

O conteúdo integra a plataforma UM BRASIL, idealizada pela FecomercioSP, que nesta série conta com a parceria do Columbia Global Center no Rio de Janeiro e do Lemann Center for Brazilian Studies da Universidade Columbia.

As gravações aconteceram em Nova York, entre os dias 16 e 20 de novembro de 2015. Confira a íntegra da entrevista.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX