1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A China tosse

A turbulência econômica provém das convulsões da China, que ninguém sabe ao certo o que são, o que aumenta as apreensões

Celso Ming

- Atualizado:07 Janeiro 2016 | 21h 00

Há alguns anos se dizia que qualquer acesso de tosse dos Estados Unidos espalhava resfriado para o resto do mundo. Agora, esse efeito é atribuído à China.

O ano de 2016 começou sob o efeito de duas turbulências geopolíticas e outra econômica. As geopolíticas são os novos conflitos entre a Arábia Saudita e o Irã, que adicionam novo foco de incerteza ao já fortemente tumultuado Oriente Médio. A outra insegurança geopolítica foi produzida pelo anúncio de explosão experimental de uma bomba de hidrogênio pela Coreia do Norte.

Preços do petróleo
Preços do petróleo

A turbulência econômica provém das convulsões da China, que ninguém sabe ao certo o que são, o que aumenta as apreensões. Com base nelas, os preços do petróleo despencaram para os níveis mais baixos em dez anos, os das demais commodities também vêm sofrendo baixas e as bolsas de todo o mundo operam aos soluços.

A gravidade da crise da China transparece mais das reações do seu governo do que dos indicadores da economia. Uma dessas reações foi a desvalorização de 0,5% do yuan, a moeda chinesa, determinada pelo Banco do Povo da China (banco central). Essa decisão sugere que, além de dar mais fôlego às exportações, o governo de Pequim começa a agir para evitar a fuga de dólares. A redução das reservas externas da China em dezembro, em nada menos que US$ 107,9 bilhões, para US$ 3,3 trilhões, parece confirmar esse refluxo.

E espraia-se a cisma de que o ritmo da atividade econômica na China não seja de crescimento do PIB a 7% ao ano. Pode ser menos. Mas quanto menos? Infelizmente, a baixa transparência das estatísticas deixa isso no ar.

Diante do aumento das incertezas, os mercados se retraem. Mas essa é apenas a reação imediata. Se for confirmada uma desaceleração mais forte da China, toda a economia mundial enfrentará terremotos em cadeia.

Do ponto de vista da economia brasileira, o mau momento da China vem na pior hora, quando a retração do PIB no biênio 2015-2016 pode ultrapassar os 7%, a inflação vai para perto de 11% ao ano e o desemprego ultrapassa os 8%. A China é o maior comprador de commodities do Brasil, especialmente de alimentos e de minério de ferro – e, agora, de jogadores do Corinthians.

Uma desaceleração mais acentuada do seu setor produtivo tende a provocar redução das encomendas de matérias-primas e desova de estoques. Nesse quadro, a fragilidade do setor do petróleo tende a se acentuar.

Nesta quinta, o Financial Times, de Londres, principal diário de Economia e Negócios da Europa, trouxe projeções de um dos maiores bancos de investimento do mundo, o Goldman Sachs. De acordo com elas, as cotações do petróleo podem resvalar para a altura dos US$ 20 por barril. Pode-se retrucar que esse é um palpite entre muitos outros, que se desencontram entre si. O problema é que os preços do petróleo e de um punhado de commodities já não são formados apenas pelos fundamentos do mercado. Os critérios subjetivos tendem a aumentar de importância e não há indicações de que esse quadro possa se reverter ainda no primeiro semestre deste ano.

CONFIRA:

Produção industrial brasileira
Produção industrial brasileira

A produção industrial de novembro caiu mais do que o esperado: 2,4% em relação à de outubro e 8,1% no acumulado do ano até novembro. A principal consequência é o arrasto negativo para 2016.

Cadernetas

Os rendimentos de R$ 47 bilhões no ano não foram suficientes para aumentar o saldo das cadernetas, que ficou quase 1% menor do que o de 2014. O resultado é consequência do retorno relativamente baixo (em relação a outras aplicações de renda fixa) e da necessidade de socorrer o orçamento doméstico corroído pela inflação.

Mais em EconomiaX