1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine

À espera de pesquisa eleitoral, Bovespa fecha em leve alta

Clarissa Mangueira - Agência Estado

26 Agosto 2014 | 17h 09

A bolsa, porém, registrou alta limitada de 0,14%, próxima dos 60 mil pontos

A Bovespa fechou em leve alta nesta terça-feira, recebendo suporte da especulação em torno da disputa eleitoral, com o mercado à espera da pesquisa Ibope. Os ganhos na bolsa foram limitados, porém, por uma realização de lucros, após o Ibovespa ter fechado ontem no maior nível desde 1º de fevereiro de 2013.

No fim do dia, o Ibovespa registrou alta de 0,14%, aos 59.821,45 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 7,233 bilhões. Na máxima do dia, o índice atingiu 60.093 pontos (+0,60%) e, na mínima, 59.522 pontos (-0,36%). No mês de agosto, a bolsa acumula alta de 7,15% e, no ano, ganho de 16,14%.

As especulações sobre uma possível vantagem da candidata Marina Silva sobre o candidato do PSDB, Aécio Neves, no primeiro turno e contra a presidente Dilma Rousseff no segundo turno alimentaram o apetite por risco desde a abertura do pregão.

No início da tarde, a Bovespa apagou os ganhos e passou a cair, afetada pelo declínio dos papéis dos bancos, depois da divulgação dos dados de crédito. A média diária de concessões de crédito livre caiu 15% em julho ante junho, para R$ 11,5 bilhões, segundo os números oficiais. No crédito direcionado, a média caiu 24,8% na comparação mensal, somando R$ 1,8 bilhão no mês passado. Quando se junta o crédito livre mais o direcionado, a baixa é de 16,5%.

Mais tarde, a Bolsa voltou para território positivo, ajudada pela recuperação dos papéis dos bancos e à medida que os investidores aguardavam o resultado da pesquisa Ibope. No Paraná, o levantamento do Ibope feito apenas com eleitores do Estado mostrou Marina Silva (PSB), Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) em situação de empate técnico. Marina aparece com 29% das intenções de voto, Dilma Rousseff com 28% e Aécio Neves tem 24%. A margem de erro da pesquisa, a primeira feita pelo instituto no Estado depois do registro das candidaturas, é de 3 pontos porcentuais.

Entre os destaques positivos da sessão estavam: Banco do Brasil (+0,61%), Bradesco PN (+0,54%), Itaú Unibanco (+0,68%). Do lado negativo, os papeis da Vale terminaram com perdas de 0,48% (ON) e de 0,22% (PN). Petrobras fechou com queda 0,48% (ON) e baixa de 0,91% (PN), após os fortes ganhos registrados na véspera.

Em Nova York, as bolsas dos EUA terminaram em alta, ajudadas por indicadores econômicos positivos divulgados nos EUA e notícias corporativas. As encomendas de bens duráveis subiram 22,6% em julho ante o mês anterior, atingindo o nível recorde de US$ 300,1 bilhões. Além disso, o índice de confiança do consumidor norte-americano medido pelo Conference Board aumentou para 92,4 em agosto, de 90,3 em julho, superando a expectativa de leitura de 88,5. O índice de atividade industrial do Federal Reserve de Richmond avançou para 12 em agosto, de 7 em julho.

No âmbito corporativo, o Burger King, cujo controle é de um fundo de private equity comandado por brasileiros, fechou um acordo para fundir suas operações com as da canadense Tim Hortons, criando a terceira maior cadeia mundial de fast food, com vendas estimadas em US$ 23 bilhões.