A indústria continua mal e não vê futuro promissor

A sondagem da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada na quarta-feira, mostrou uma leve melhora no setor entre os meses de junho e julho, sem alterar a tendência negativa que predominou no primeiro semestre. Com base em dados como esses, o presidente da CNI, Robson Andrade, não hesitou em afirmar a empresários da Associação Comercial, no Rio: "Estamos vivendo um dos piores momentos da história da indústria brasileira. Sou empresário há 37 anos, não me lembro de ter passado período tão difícil como o deste ano e do ano passado".

O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2014 | 02h05

Quanto ao nível atual de atividade, o indicador de produção da CNI passou de 39,6 pontos, em junho, para 48,8 pontos, em julho, mas continua abaixo dos 50 pontos, que separam os campos positivo e negativo. Pior foi o indicador do emprego, que saiu de 45,2 para 45 pontos, mostrando que, para o trabalhador, se algo mudou, foi para pior. A utilização da capacidade aumentou de 68% para 70%, mas ainda está muito distante da usual. E mudaram pouco os indicadores de estoques.

Quanto às expectativas, os dados são ruins no tocante à demanda, às exportações, à contratação de pessoal e à compra de matérias-primas. Ou seja, a pequena melhora de julho deveu-se à base comparativa muito baixa, relativa a junho, sem que se descortine um futuro promissor.

A Sondagem Industrial mostrou que a situação é bem mais grave para as pequenas e médias do que para as grandes empresas. Reforça-se o temor de que o custo da recessão industrial recaia principalmente sobre os trabalhadores. Do ponto de vista geográfico, foram mais atingidas as Regiões Sudeste e Sul, onde se concentra a maior parte da indústria.

Os números não permitem alento para os próximos meses. A Fiesp já calcula que o peso da indústria no PIB cairá a 12,6% neste ano, cerca da metade dos 24,8% de 1992.

A indústria é o setor mais afetado pela política econômica em 2014. O consumo interno está em desaceleração e as exportações perdem competitividade e estão sob risco até para mercados que pareciam consolidados, como o de veículos destinados à Argentina.

Enquanto perde mercados, a indústria vê crescerem seus custos, como os da energia elétrica. Algumas empresas preferiram reduzir o ritmo das máquinas, para poderem dispor, para venda a preços elevados, de parte da energia elétrica cujo fornecimento já haviam contratado. Em alguns casos, essa prática está sendo considerada mais rentável do que produzir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.