1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Abilio e Lemann dão o primeiro passo para criar rede nacional de padarias

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 05h 00

Empresa originada com a compra da rede de padarias Benjamin Abrahão, de São Paulo, terá formato compacto e poderá abrir franquias; estratégia é crescer no ‘vácuo’ de concorrentes, pois setor ainda é dominado por empresas familiares

Quando Abilio Diniz e Jorge Paulo Lemann, dois empresários brasileiros acostumados a fechar negócios bilionários, compraram, em agosto do ano passado, a Benjamin Abrahão, uma pequena rede de padarias paulistana, ninguém entendeu direito o que estava por trás desse investimento. Agora, a estratégia ficou mais clara. E não contradiz o estilo ambicioso da dupla. Os homens que construíram o Pão de Açúcar e a Ambev querem criar a primeira grande cadeia de padarias de alcance nacional.

 

 
 

Há cinco meses, os fundos de investimento Innova Capital, de Lemann, e Península, de Diniz, anunciaram a compra da Benjamin Abrahão, que tinha duas unidades em bairros nobres da cidade e seis em universidades da capital. Quem apresentou o negócio aos empresários, no fim de 2014, foi a portuguesa Rita de Cássia Sousa Coutinho, que também é sócia da empresa, por meio da Ocean, e vai presidir a rede. Sob nova administração, o negócio – rebatizado Benjamin – deve dobrar de tamanho ainda em 2016.

Para pavimentar o caminho rumo ao objetivo, Rita acreditava que era preciso garantir ao projeto uma habilidade que nenhum dos três possuía: a capacidade de produzir pães e bolos de qualidade. Por isso, decidiram comprar um negócio já em funcionamento. A escolhida, após uma análise de mercado, foi a Benjamin Abrahão, cujo fundador começou vendendo doces e salgados em feiras de rua de São Paulo nos anos 1940. Agora, a produção é tocada por um de seus netos, Felipe.

A compra, efetivada por valor não revelado (o mercado estima R$ 20 milhões), foi só o primeiro passo da estratégia. Depois de passar os últimos meses reorganizando a casa – com foco no controle de matéria-prima, treinamento de pessoal e informatização –, a rede vai ganhar uma nova cara. O layout terá sua estreia em duas unidades: uma dos Jardins, já inaugurada, e outra no Shopping Eldorado, que será aberta neste mês.

As duas lojas servirão de teste para o modelo que vai dar escala ao negócio. O período de férias escolares vai ser tomado pelas reformas de seis unidades da Benjamin Abrahão localizadas dentro de escolas e universidades de São Paulo. As lojas de maior porte, em Higienópolis e na rua José Maria Lisboa, nos Jardins, serão revitalizadas aos poucos, sem fechar as portas.

Embora seja reticente sobre a expansão da rede, a executiva diz que, “dentro de uma expectativa realista”, será possível dobrar o número de unidades da rede até o fim do ano. As lojas da Benjamin Abrahão serão compactas, de até 120 m², e vão se dedicar à venda de pães, doces e salgados e a refeições rápidas.

Para o longo prazo, as metas são ambiciosas e a rede deve ir além do mercado paulistano. “O Brasil é grande como um continente, é preciso flexibilidade”, diz Rita. Inicialmente, a Benjamin crescerá com lojas próprias, mas um modelo de franquias não está descartado.

Na nova Benjamin Abrahão – que vai perder o “sobrenome” e se tornar apenas Padaria Benjamin –, quem colocará a mão na massa é Felipe Abrahão, neto do fundador que desde os 15 anos comanda os fornos do negócio. Segundo apurou o Estado, a família manterá uma pequena participação na nova padaria, enquanto Innova, Península e Ocean concentrarão cerca de 30% cada uma. Rita será a presidente.

A executiva tem experiência no varejo de proximidade. Trabalhou no Grupo Pão de Açúcar, onde ajudou a implantar as redes Minuto Pão de Açúcar e Minimercado Extra. E também passou pelo setor de padarias. Ela foi uma das idealizadoras da Padaria Portuguesa, rede que já tem 30 lojas no país europeu.

Ao desembarcar no Brasil, a executiva queria implantar um projeto de padaria em larga escala. A ideia inicial era trazer a Padaria Portuguesa para o País. Como o projeto não foi adiante, ela passou a buscar alternativas – e acabou chegando à parceria com Abilio e Lemann. Segundo especialistas no setor de alimentos, a Benjamin tem condições de tornar-se líder do segmento de panificação em pouco tempo.

Porte. O Brasil tem hoje mais de 63 mil padarias, que movimentam R$ 80 bilhões por ano, segundo a Associação Brasileira da Indústria da Panificação (Abip). De 2009 a 2013, o setor de pães e doces cresceu acima de 10% ao ano. Predominam os negócios familiares. Com seis unidades, uma rede de padarias já é considerada de grande porte – caso da paulistana Dona Deôla.

As poucas empresas que tentaram ir além de suas cidades, como as franquias Uni & Due e Pão & Companhia, não tiveram fôlego para ir muito longe. Segundo fontes do setor, ambas estão revendo seus projetos de expansão. Procuradas, as empresas não responderam os contatos da reportagem. Redes estrangeiras – como a francesa Au Bon Pain – também não obtiveram sucesso. “Ainda não tivemos uma experiência bem sucedida no Brasil, apesar de várias tentativas”, diz o presidente da Abip, José Batista de Oliveira.

Segundo o consultor Sérgio Molinari, da Food Consulting, o negócio de padarias é o menos profissionalizado entre os segmentos de alimentação no País. “Temos diversas redes de fast-food e de restaurantes com atuação nacional, mas não há um movimento organizado em padarias”, diz. Para o consultor, a companhia que conseguir se estabelecer no segmento terá nas mãos um terreno fértil para trabalhar: “O faturamento médio de uma lanchonete no Brasil é de R$ 30 mil. O de uma padaria é de R$ 100 mil. É um nicho rentável em busca de um líder.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX