1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Luis Inácio Adams, advogado-geral da União

Advogado-geral da União justifica honorários aos funcionários públicos da carreira jurídica

‘Acabou virando uma demanda da carreira’

O advogado-geral da União Luís Inácio Adams

O advogado-geral da União Luís Inácio Adams

 O advogado-geral da União, Luis Inácio Adams, justifica os honorários aos funcionários públicos da carreira jurídica e a licença para exercer advocacia privada. Leia os principais trechos da entrevista que Adams concedeu ao Estado.

Por que foi dada a autorização para os advogados do governo exercerem iniciativa privada?

Essa é uma sistemática reproduzida e acabou virando uma demanda da carreira. Estados e municípios admitem essa sistemática. O (Luiz Edson) Fachin e o (Luis Roberto) Barroso (ministros do Supremo Tribunal Federal), quando eram procuradores de Estado, podiam advogar também. Advocacia, só em situações em que não há conflito com a União.

Há outro projeto de lei que cria uma carreira de apoio à AGU. Isso é para facilitar a que os advogados tenham mais tempo livre?

Não, não tem nada a ver. A carreira de apoio não é de assessoria à atuação do advogado. É para áreas específicas da AGU, como por exemplo contadoria, áreas administrativas.

Por que pagar honorários aos advogados do serviço público?

É uma compensação remuneratória decorrente da atuação do advogado. Aquilo que a parte paga quando é derrotada. O Código de Processo Civil estabeleceu que isso deve ser pago aos advogados públicos, conforme lei específica.

Como vai funcionar?

A partir de 2017, a apropriação vai depender do esforço, do tempo, da sistemática de cada processo. Por exemplo: na execução fiscal. Se a pessoa foi lá e parcelou, o porcentual é pequeno. Mas se o procurador foi lá, achou um patrimônio, conseguiu uma penhora e converteu em receita, aí a sucumbência é maior.

Será um porcentual fixo?

Não. Vai sair uma portaria conjunta da Fazenda, Planejamento, AGU e Casa Civil para estabelecer a sistemática de apuração do porcentual. Que pode ser de zero a 75%.

Zero a 75% de quê? Da multa?

Não. Quando você inscreve um valor em dívida ativa, existe um acréscimo chamado encargo legal. Não é multa. O encargo legal absorve também a sucumbência, os honorários e corresponde a 20% do valor da inscrição.

Como justificar esse projeto no atual quadro fiscal?

Lidamos, no passado, com a PEC 443, que pretendia a equiparação da AGU a ministro do Supremo. Esse projeto é muito menos. Estamos falando de R$ 3 mil. A PEC 443 dava impacto de R$ 5 mil no teto , R$ 7 mil na base. Acho, do ponto de vista fiscal, muito melhor. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX