1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Ações asiáticas avançam em meio a cautela por Ucrânia

LISA TWARONITE - REUTERS

01 Setembro 2014 | 08h 03

As ações asiáticas avançaram nesta segunda-feira, com investidores cautelosos sobre o agravamento da crise na Ucrânia e uma pesquisa negativa sobre a atividade industrial na China.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, alertou que uma "guerra em escala total" é imininente caso tropas russas continuem a avançar em apoio a rebeldes pró-Moscou, enquanto líderes da Europa e dos Estados Unidos ameaçavam Moscou com mais sanções.

No entanto, o ânimo de Wall Street na sexta-feira conseguiu compensar as preocupações geopolíticas e a pesquisa da China. As ações norte-americanas subiram antes do feriado prolongado nesta segunda-feira pelo Dia do Trabalho nos EUA.

"Naturalmente, os acontecimentos entre a Rússia e a Ucrânia estarão nos centro das atenções. Porém, apesar da retórica mais preocupante de que as tensões estão se aproximando do ponto sem volta, não vimos uma forte preferência por estratégias defensivas de negociação hoje", disse o estrategista-chefe de mercado do IG, Chris Weston, em nota para clientes.

Às 7h54 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão recuperava perdas do início da sessão e avançava 0,25 por cento, voltando a rumar em direção ao pico de seis anos e meio atingido na quinta-feira.

O índice japonês Nikkei fechou com alta de 0,34 por cento, retomando parte do terreno perdido em agosto, quando registrou queda de 1,3 por cento.

Os ganhos aconteceram mesmo após o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial sobre o setor industrial da China cair de máxima de 27 meses para 51,1 em agosto, ligeiramente menos do que o previsto e ampliando sinais de crescente fraqueza na economia do país.